… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 4 de maio de 2017

4 de maio

Oswald Chambers

My Utmost for His Highest
4 de maio A INTERCESSÃO VICÁRIA

“Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus …” (Hb 10:19, ARC, Pt)

Guarda-te de pensares que a intercessão significa apresentar as nossas próprias simpatias e preocupações pessoais na presença de Deus, e depois exigir que Ele faça tudo o que pedimos. A nossa capacidade para nos aproximarmos de Deus deve-se inteiramente à identificação vicária ou substituta do nosso Senhor com o pecado. Nós temos ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus.

A teimosia espiritual é o obstáculo mais eficaz à intercessão, porque se baseia numa compreensão simpática de coisas que vemos em nós mesmos e noutras pessoas que achamos que não precisam de expiação. Temos a ideia de que há certas coisas boas e virtuosas em cada um de nós que não precisam de ser baseadas na expiação pela Cruz de Cristo. Apenas a preguiça e falta de interesse produzido por esta espécie de pensamento nos incapacitam de interceder. Nós não nos identificamos com os interesses e as preocupações de Deus nas outras pessoas, e ficamos irritados com Ele.

No entanto, estamos sempre prontos com as nossas próprias ideias, e a nossa intercessão torna-se apenas a glorificação das nossas próprias simpatias naturais. Temos de compreender que a identificação de Jesus com o pecado significa uma mudança radical de todas as nossas simpatias e interesses. A intercessão vicária significa que nós substituímos deliberadamente os interesses de Deus nas outras pessoas pela nossa simpatia natural por elas.

Sou eu teimoso ou sou eu substituído? Na minha relação com Deus, sou mimado ou perfeito? Sou eu irascível ou espiritual? Estou eu determinado a ter o meu próprio caminho ou estou eu decidido a ser identificado com Ele?

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: