… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 4 de maio de 2017

4 de maio

C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
4 de maio

“Ó inimiga minha, não te alegres a meu respeito; ainda que eu tenha caído, levantar-me-ei; se morar nas trevas, o SENHOR será a minha luz.” (Mq 7:8, ARC, Pt)

Isto expressa, talvez, os sentimentos de um homem ou mulher, que é espezinhado e oprimido. O nosso inimigo pode apagar a nossa luz durante algum tempo. Mas, para nós há segura esperança no SENHOR; e se estamos confiando nEle, e mantendo firmes a nossa integridade, a nossa temporada de abatimento e trevas logo passará. Os insultos do inimigo são só momentâneos. O Senhor prontamente mudará o seu riso em lamentação, e os nossos suspiros em cânticos.

Ainda que o grande inimigo das almas triunfe sobre nós por algum tempo, como tem triunfado sobre homens melhores do que nós, ganhemos coragem, porque, em breve, o venceremos. Levantar-nos-emos da nossa queda, porquanto o nosso Deus não tem caído, e Ele exaltar-nos-á. Não permaneceremos nas trevas, ainda que momentaneamente estejamos nelas, porque o nosso SENHOR é a fonte de luz, e em breve, nos trará um dia jubiloso. Não desesperemos, nem ainda duvidemos. Uma (meia) volta da roda e o mais baixo estará em cima. Ai daqueles que agora se riem, porque eles se lamentarão e chorarão quando a sua jactância se mudar em desprezo eterno. Porém, bem-aventurados são todos os santos que choram, porque eles serão divinamente consolados.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: