… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 8 de maio de 2017

8 de maio


C. H. Spurgeon
Leituras Vespertinas
8 de maio
“Une-te, pois, a Deus.” (Jb 22:21, ARC, Pt)

SE quisermos corretamente “unir-nos com Deus e ter paz” temos de conhecê-Lo como Ele mesmo Se revelou; não só na unidade da Sua essência e subsistência, mas também na pluralidade das Suas pessoas. Deus disse: “Façamos o homem à Nossa imagem, conforme a Nossa semelhança” que ninguém fique satisfeito até que conheça algo das “três Pessoas” de quem procede o seu ser. Esforcemo-nos por conhecer o Pai. Oculta a tua cabeça no Seu seio em profundo arrependimento e confessa que tu não és digno de ser chamado Seu filho; recebe o beijo do Seu amor; que o anel, que é o objeto da Sua eterna fidelidade, esteja no teu dedo. Senta-te à Sua mesa e deixa que o teu coração se alegre na Sua graça. Depois avança e procura conhecer muito do Filho de Deus, que é o resplendor da glória de Seu Pai, e também, em inexprimível condescendência de graça Se fez homem por nossa causa. Conhece-O na peculiar complexidade da Sua natureza: Deus eterno, e, também, homem padecente e finito. Segue-O enquanto Ele anda sobre as águas com o passo da deidade e enquanto Ele Se senta no poço com o cansaço da humanidade. Não fiques satisfeito até que conheças muito de Jesus Cristo como teu Amigo, teu Irmão, teu Esposo, teu tudo. Não te esqueças do Espírito Santo. Esforça-te por obter uma clara visão da Sua natureza e caráter, dos Seus atributos e das Suas obras. Contempla aquele Espírito do Senhor que no princípio Se movia sobre o caos e produziu a ordem, e que agora visita o caos da tua alma e cria a ordem da santidade. Contempla-O como o Senhor e Doador da vida espiritual, o Iluminador, o Instrutor, o Consolador e o Santificador. Vê como Ele, assim como a unção santa, desce sobre a cabeça de Jesus, e, então mais tarde Ele repousa sobre ti, que é como a aba das Suas roupas. Tal crença inteligente, escritural e experimental na Trindade em Unidade é tua, se tu verdadeiramente conheces Deus, e tal conhecimento traz, de facto, paz.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: