… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 13 de junho de 2017

13 de junho


C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
13 de junho

“E quem quiser tome de graça da água da vida.” (Ap 22:17, ARC, Pt)

Jesus diz: “tome de graça.” Ele não quer nenhum pagamento ou exercícios[1]. Ele não procura a recomendação das nossas virtuosas emoções. Se não tens bons sentimentos, se apenas podes desejar, estás convidado. Então vem! Tu não tens fé nem arrependimento; vem a Ele, e Ele tas dará. Vem tal qual estás e toma “de graça”, sem dinheiro e sem preço. Jesus dá-Se a si mesmo aos necessitados. Os fontenários que as autoridades mandaram colocar nos cantos das nossas praças para os que sintam sede, são de muito valor. E apenas poderíamos imaginar que houvesse alguém tão néscio que ao sentir sede apalpasse os bolsos e dissesse em frente a um desses fontenários: “Não posso beber, porque não tenho dinheiro.” Por mais pobre que o homem seja, tem ali ao seu dispor um fontenário para dele beber livremente. Os transeuntes sedentos, ao passarem pelo fontenário, não têm de apresentar autorização alguma para beber, quer estejam vestidos de fustão ou de casimira. O facto de estarem ali é suficiente para que possam beber água de graça. A liberalidade de alguns bons amigos colocou o cristal refrescante lá e nós tomamo-lo, e não fazemos perguntas. Talvez as únicas pessoas que precisam de ir sedentas pela rua onde há um bebedouro, são as senhoras finas e os senhores que viajam nas suas carruagens. Eles têm muita sede, mas não querem mostrar-se vulgares bebendo dessas bicas. Pensam que se rebaixariam se bebessem da bica de onde todos bebem; de modo que se vão com os lábios ressequidos. Oh, quantos há que são ricos nas suas próprias boas obras e por isso mesmo não podem vir a Cristo! “Eu não serei salvo,” dizem eles, “da mesma maneira como a prostituta ou o blasfemador.” O quê! Ir para o Céu da mesma maneira como vai um limpa-chaminés! Não há outro caminho que leve para a glória senão aquele que levou para lá o ladrão? Eu não serei salvo dessa maneira.” Estes fanfarrões orgulhosos têm de ficar sem a água viva, mas “QUEM QUISER TOME DE GRAÇA DA ÁGUA DA VIDA.”
 

[1] Preparation (literal) exercícios (Liturgia da Palavra e Ofertório) de elevação que precedem a celebração da Eucaristia.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: