… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 22 de junho de 2017

22 de junho


William MacDonald
Um dia de cada vez
22 de junho

“Examinai tudo. Retende o bem.” (1Ts 5:21, ARC, Pt)

Às vezes parece que os cristãos são especialmente propensos a aceitar modas passageiras e ventos de doutrina. John Blanchard contava a respeito de dois condutores de autocarros que trocavam impressões. Quando um deles mencionou que numa ocasião o seu autocarro se encheu de cristãos, o outro disse-lhe: “Como sabias que eram cristãos? No que criam?” Ao que o primeiro respondeu: “Em qualquer coisa que lhes dizia!”

Pode ser uma moda alimentícia. Denunciam-se certos mantimentos como venenosos e a outros atribuem propriedades quase mágicas. Sempre aparece por aí algum remédio na moda que, por ser feito de alguma raiz misteriosa, augura resultados espetaculares.

Os cristãos são especialmente cândidos quando se lhes pede dinheiro. Respondem facilmente à publicidade que envolve órfãos ou desastres, sem investigar a integridade da agência que a patrocina. Os impostores florescem entre os crentes. Não importa quão ridícula seja a sua história lacrimogénea, são capazes de recolher boas fortunas.

Possivelmente o problema consiste em que não podemos distinguir entre fé e credulidade. A fé descansa na coisa mais segura do Universo que é a Palavra de Deus. A credulidade aceita as coisas como um facto, sem evidência, e algumas vezes frente à evidência do contrário.

Deus não quer que os crentes renunciem à sua capacidade de discernimento ou à sua faculdade crítica. A Bíblia está cheia de exortações deste tipo:

“Examinai tudo. Retende o bem.” (1Ts 5:21, ARC, Pt)

“... e, se apartares o precioso do vil.” (Jr 15:19, ARC, Pt)

“E isto peço em oração, que seu amor abunde até mais e mais em ciência e em todo conhecimento.” (Fl 1:9)

“E peço isto: que a vossa caridade aumente mais e mais em ciência e em todo o conhecimento.” (Fl 1:9, ARC, Pt)

“Amados, não creiais em todo espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo.” (1Jo 4:1, ARC, Pt)

O perigo é especialmente grande no que toca a modas doutrinais e novidades. Mas em muitas outras áreas é possível que enganadores e caloteiros confundam ou estafem os cristãos com truques e extravagâncias que inventam com sagacidade inesgotável.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: