… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 26 de junho de 2017

26 de junho

C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
26 de junho


“Foste semelhante a nós.” (Is 14:10, ARC, Pt)

QUAL será a sentença do Cristão apóstata quando a sua alma comparecer diante de Deus? Como suportará ele aquela voz que lhe diz: “Aparta-te de Mim, maldito; tu tens-Me rejeitado, e agora Eu rejeito-te a ti; tu tens feito o papel do adúltero, apartando-te de Mim; também Eu te tenho desterrado da Minha presença para sempre e não terei misericórdia de ti”? Qual será a vergonha deste infeliz no grande dia final quando, diante das multidões reunidas, os apóstatas serão desmascarados? Vê como os profanos e os pecadores, que nunca professaram religião alguma, se levantam dos seus leitos de fogo chamando a atenção para ele. “Aqui está aquele”, diz um “terá vindo para pregar o Evangelho no Inferno?” “Aqui está aquele”, diz outro, “repreendia-me porque eu blasfemava, mas, pelos visto, ele próprio era um hipócrita!” “Logo vi!”, diz outro, “Aqui vem um que cantava hinos, um que estava sempre nas reuniões, um que se gabava de estar seguro da vida eterna, e agora está aqui!” Nunca os atormentadores satânicos demonstrarão mais avidez do que no dia quando os demónios arrastem o hipócrita para a perdição. Bunyan descreve isto com admirável e pavorosa elevação poética quando fala do caminho para o Inferno. Sete demónios ataram o infeliz com nove cordas, e arrastaram-no para fora do caminho que conduz ao Céu, no qual ele tinha professado andar, e empurraram-no com força para dentro do Inferno. Irmão, toma cuidado com esse caminho para o Inferno! “Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé.” Considera bem a tua condição; vê se estás ou não em Cristo. É a coisa mais fácil do mundo ser indulgente quando nos julgamos a nós mesmos; porém, eu rogo-te que nisto sejas justo e leal. Sê justo em tudo, mas sê rigoroso contigo mesmo. Recorda-te que se não estás edificando sobre uma rocha, quando a casa cair será grande a sua ruína. Ó que o Senhor te dê sinceridade, perseverança e firmeza; e que em nenhum dia, por mais desgraçado que ele seja, tu sejas guiado a mudar de direção.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: