… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 3 de junho de 2017

3 de junho


C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
3 de junho

“Estes foram oleiros e habitavam nas hortas e nos cerrados; estes ficaram ali com o rei na sua obra.” (1Cr 4:23, ARC, Pt)

Os oleiros não eram os mais qualificados dos artesãos, porém “o rei” necessitava de oleiros, e, por isso, eles estavam ao seu serviço real, embora o material com que trabalhavam fosse simplesmente barro. Nós, também, possivelmente, estaremos ocupados na parte mais insignificante da obra do Senhor, mas, contudo, é um grande privilégio fazer qualquer coisa para “o rei”; de modo que perseveraremos na nossa chamada, esperando que “se bem que fomos lançados entre os vasos, seremos como as asas da pomba coberta de prata, e com as suas plumas de ouro amarelado.” O versículo fala-nos daqueles que habitavam nas hortas e nos cerrados que tinham de fazer trabalhos rudes e pesados, pondo cercas ou abrindo valetas. Quiçá eles terão desejado viver na cidade, no meio da vida da sociedade e da cultura da mesma, mas, eles conservaram os lugares que lhes tinham sido designados, porquanto também eles estavam fazendo a obra do rei. O lugar da nossa habitação foi fixado, e nós não devemos deslocar-nos por fantasia ou por capricho, mas temos de servir ao Senhor nele, sendo uma bênção para aqueles entre os quais vivemos. Estes oleiros e jardineiros tinham companhia real, pois moravam “com o rei”, e se bem que habitavam nas hortas e nos cerrados, ali estava também “o rei,” Nenhum lugar lícito, nenhuma grata ocupação, ainda que seja humilde, nos pode privar da comunhão com o nosso divino Senhor. Quando visitarmos choças, cortiços, asilos ou cárceres podemos ir “com o rei.” Em todas as obras de fé contemos com o companheirismo de Jesus. É quando estamos na Sua obra que podemos contar com o Seu sorriso. Vós, obreiros desconhecidos, que estais ocupados para o vosso Senhor no meio da lama e da miséria dos mais baixos dos baixos, tende bom ânimo, pois as jóias têm sido encontradas em monturos, noutros tempos, panelas de barro foram cheias com o tesouro celestial, e as ervas daninhas têm sido transformadas em flores preciosas. Morareis com o Rei para o seu trabalho, e quando Ele escreve as Suas crónicas o vosso nome será registado.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: