… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 13 de julho de 2017

13 de julho


William MacDonald
Um dia de cada vez
13 de julho

“Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo.” (1Jo 4:1, ARC, Pt)

Vivemos numa época em que as seitas se multiplicam com assombrosa rapidez. Na realidade não há novas seitas; são somente variações de grupos heréticos que surgiram nos dias do Novo Testamento. É a sua variedade é que é nova, não os seus dogmas básicos.

Quando João diz que devemos provar os espíritos, quer dar-nos a entender que devemos provar todos os mestres por meio da Palavra de Deus, para que possamos detetar aqueles que são falsos. Há três áreas fundamentais onde as seitas ficam a descoberto como falsificações. Nenhuma seita pode passar estas três provas.

A maioria das seitas são fatalmente defeituosas no seu ensino referente à Bíblia. Não a aceitam como a inerrante Palavra de Deus, a revelação final de Deus ao Homem. Igualam a sua autoridade com a dos escritos dos seus próprios líderes. Reclamam ter novas revelações do Senhor e gabam-se desta “verdade nova”. Publicam a sua própria tradução das Escrituras que torce e perverte a verdade. Aceitam a voz da tradição ao mesmo tempo que a Bíblia. Manejam a Palavra de Deus fraudulentamente.

A maioria das seitas são heréticas nos seus ensinos a respeito de nosso Senhor. Negam que é Deus, a Segunda Pessoa da Santa Trindade. Admitem que é o Filho de Deus, mas com isto dão a entender algo menos do que a igualdade com Deus, o Pai. Frequentemente negam que Jesus é o Cristo, ensinando que o Cristo é uma influência divina que veio sobre o homem Jesus. Com frequência negam a verdadeira humanidade impecável do Salvador.

Uma terceira área em que as seitas se condenam é no que ensinam referente ao caminho de salvação. Negam que a salvação é por graça, por meio da fé no Senhor Jesus Cristo somente. Cada uma delas ensina outro Evangelho, quer dizer, salvação pelas boas obras ou por boa conduta.

Quando os propagadores destas seitas chegam à nossa porta, qual deve a ser nossa resposta? João não nos deixa em dúvida: “Não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis. Porque quem o saúda tem parte nas suas más obras.” (2Jo 1:10-11, ARC, Pt)

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: