… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 18 de julho de 2017

18 de julho


William MacDonald
Um dia de cada vez
18 de julho

“E Mical, filha de Saul, não teve filhos, até ao dia da sua morte.” (2Sm 6:23, ARC, Pt)

David estava extasiado quando trouxe a Arca para Jerusalém a fim de ser colocada na tenda que ele para isso tinha preparado especialmente. Ao aperceber-se de que este era um dos seus maiores sucessos e um dos momentos mais gloriosos da sua carreira, o rei dançou diante do Senhor com toda a sua força. A sua esposa Mical, zombou dele porque pensou que isso era ter uma conduta vergonhosa. Como resultado da sua atitude crítica, não teve filhos até ao fim dos seus dias.

Aprendemos disto que um espírito crítico produz esterilidade. Naturalmente, quando dizemos isso, não estamos falando de crítica construtiva. Se a crítica for verdadeira, devemos recebê-la e beneficiarmo-nos dela. Há poucos amigos na vida que nos amem o suficiente para nos darem críticas úteis.

Mas a crítica destrutiva pode ser devastadora. Pode fazer destruir a obra de Deus na vida de alguém e desfazer nuns poucos minutos o progresso de muitos anos.

No incidente que envolveu David, a Arca representa Cristo. A Arca ocupando o seu lugar em Jerusalém representa Cristo entronizado no coração humano. Quando isso ocorre, o crente, cheio do Espírito não pode senão expressar a sua exuberância e o seu entusiasmo. Isto provoca frequentemente a hostilidade dos não convertidos e algumas vezes até a zombaria de outros cristãos. Mas esse espírito crítico indevidamente conduz à esterilidade.

Pode levar à esterilidade não apenas a vida individual, mas também a Assembleia Local. Tomemos como exemplo uma congregação onde os jovens estão sujeitos constantemente a uma corrente de críticas. São criticados pelo modo como se vestem, pelo corte do cabelo, pelas suas orações públicas e pela sua forma de cantar. Em vez de se lhes dar tempo para discipliná-los pacientemente, os anciãos esperam que eles amadureçam imediatamente. Muito em breve os jovens, se não tiverem convicções fortes, afastar-se-ão em busca de uma Igreja mais compatível, mais agradável, e a Assembleia pouco a pouco vai-se despovoando.

Que a história de Mical sirva de exemplo de que a censura não somente magoa as suas vítimas, mas, também se vinga daquele que a pratica. Essa vingança é a esterilidade espiritual.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: