… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 18 de julho de 2017

18 de julho


C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé

18 de julho

“Portanto, eis que Eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração.” (Os 2:14, ARC, Pt)

A bondade de Deus vê-nos atraídos pelo pecado, e resolve pôr em prática (à prova), em nós, as mais poderosas atrações do amor. Não nos recordamos (já) dessa primeira vez quando o Amante (Mais-que-tudo; Amigo) das nossas almas nos encantou e nos apartou das fascinações do mundo!(?) Ele fará isto muitas vezes, sempre que nos veja com probabilidade de sermos enredados (iludidos) pelo mal.

Ele promete levar-nos à parte, porquanto ali pode tratar-nos melhor, e este lugar separado (isolado) não será um Paraíso, mas um deserto, porque em tal lugar (num lugar assim) não haverá nada (coisa alguma) que distraia (afaste, retire) a nossa atenção do nosso Deus. Nos desertos da aflição, a presença do SENHOR torna-se tudo para nós (é o nosso tudo), e achamos a Sua companhia muito mais valiosa do que quando nos sentávamos sob a nossa própria videira e sob a nossa própria figueira, em sociedade (companhia, convívio) com os nossos semelhantes (com o nosso companheiro). A solidão e a aflição trazem mais recursos para eles mesmos e para o seu Pai celestial do que qualquer outra coisa.

Quando somos atraídos e apartados desta maneira, o SENHOR tem coisas selectas a dizer-nos para nosso consolo (conforto). Ele “fala ao nosso coração”, tal como está expresso no original. Oh, que neste (momento) pudéssemos ter esta promessa aplicada à nossa experiência (Oh! Que neste tempo experimentemos tal promessa!)! Atraídos (seduzidos, convencidos) pelo amor, separados pela tribulação (prova; provação; tentação), e consolados pelo Espírito da verdade, que conheçamos o Senhor e que cantemos de gozo!



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: