… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 19 de julho de 2017

19 de julho

William MacDonald
Um dia de cada vez
19 de julho


“... Como Ele é, assim somos nós neste mundo.” (1Jo 4:17b)

Aqui temos uma daquelas verdades do Novo Testamento que nos comocionam pela sua audácia absoluta. Não nos atreveríamos a pronunciar estas palavras se não as víssemos na Bíblia. Mas, são gloriosamente certas e podemos deleitamo-nos e regozijamo-nos nelas.

Em que sentido somos como Cristo, neste mundo? As nossas mentes quase automaticamente pensam primeiro nas maneiras em que não somos como Ele. Não temos parte com Ele nos atributos da deidade como a omnipotência, a omnisciência e a omnipresença. Estamos cheios de pecado e de fracasso enquanto que Ele é absolutamente perfeito. Não amamos como Ele ama, nem perdoamos como Ele perdoa.

Como, então, somos como Ele? O versículo esclarece-nos: “Nisto se aperfeiçoou o amor em nós, para que tenhamos confiança no dia do juízo; pois como Ele é, assim somos nós neste mundo”. O amor de Deus tem atuado de tal maneira na nossa vida que não nos aterrorizaremos quando estivermos diante do Tribunal de Cristo. A nossa confiança apoia-se no que temos em comum com o Salvador, o juízo ficou para atrás. Somos como Ele no que toca ao juízo. Levou o juízo dos nossos pecados na Cruz do Calvário e terminou com o assunto do pecado de uma vez e para sempre. Porque suportou o castigo dos nossos pecados nunca teremos de sofrê-lo. Podemos cantar confiadamente:

A morte e o juízo ficaram para atrás,
A graça e a glória se estendem adiante,
Todas as ondas passaram sobre Jesus,
Ali esgotaram o seu máximo poder.

Assim como o juízo passou para sempre dEle, assim também passou para nós, e podemos dizer:

Já não há condenação, nem há Inferno para mim,
O tormento e o fogo meus olhos jamais os verão.
Para mim já não há sentença, a morte não tem aguilhão,
Porque o Senhor me ama e me protege sob a Sua asa.

Somos como Ele, não só com respeito ao juízo mas, também, com o que concerne à aceitação ante Deus. Estamos frente a Deus com o mesmo favor com que está o Senhor Jesus, porque estamos nEle.

Perto, muito perto de Deus,
Mais perto não posso estar,
Porque na Pessoa de Seu Filho,
Estou tão perto como Ele está.

Por último, somos como Cristo porque Deus, o Pai, nos ama como O ama também a Ele. Na Sua oração Sumo Sacerdotal o Senhor Jesus disse: “Tu... amaste-os a eles como também Me amaste a Mim” (Jo 17:23b). Assim, não é exagerado dizer:

Amado, tão amado por Deus,
Não pude mais querido ser.
O amor com que Ele ama a Seu Filho,
Tal é o Seu amor por mim.

De modo que é maravilhosamente certo que como Cristo é, assim somos nós neste mundo.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: