… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 25 de julho de 2017

25 de julho

C. H. Spurgeon
Leituras Vespertinas

25 de julho

“Estando eles angustiados, de madrugada me buscarão.” (Os 5:15, ARC, Pt)

AS perdas e as adversidades são amiúde os meios que o grande Pastor usa para conduzir até ao redil a sua ovelha perdida. Essas adversidades, como cães raivosos, acossam os extraviados, tornando-os ao aprisco. Não se pode domar os leões se estiverem muito bem alimentados; a sua força tem de ser abatida e a ração de seus estômagos diminuída, e, então, eles submeter-se-ão à mão do domador. E, muitas vezes temos visto que alguns Cristãos se fizeram obedientes à vontade do Senhor por meio da escassez de pão e de duros trabalhos. Quando eles estão ricos e cheios de bens, muitos crentes levam as suas cabeças muito erguidas e falam com muita jactância. Como David, eles vangloriam-se dizendo: “A minha montanha está firme; nunca serei abalado.” Quando o Cristão se enriquece, tem boa reputação, tem boa saúde e uma família feliz, normalmente, ele acolhe com demasiada frequência o Sr. Segurança Carnal para que este se regale à sua mesa, e, então, se ele é realmente um filho de Deus, há uma vara preparada para ele. Aguarda por um instante, e quiçá tu vejas os seus bens desaparecerem como um sonho. Aí vai uma parte da sua possessão: quão depressa os bens mudam de mão! Essa dívida, aquela nota promissória não levantada, quão rapidamente as suas perdas se sucedem! Onde terminarão elas? É um bendito sinal de vida divina se, quando estas dificuldades lhe ocorrem uma após a outra, ele começa a afligir-se pela sua apostasia e se dirige para o seu Deus. Benditas são as ondas que lavam o marinheiro sobre a rocha da salvação! As perdas nos negócios são amiúde santificadas para o enriquecimento das nossas almas. Se a alma eleita não vem até ao Senhor com as mãos cheias, ela virá vazia. Se Deus, na Sua graça, não acha outros meios para que O honremos entre os homens, Ele lançar-nos-á no abismo. E se nós não O honramos no pináculo das riquezas, Ele levar-nos-á para o vale da pobreza. Apesar de tudo, não desmaies, herdeiro da dor, quando és assim repreendido; antes reconhece a mão amorosa que te castiga e diz: “Levantar-me-ei, e irei ter com meu Pai.”


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: