… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 26 de julho de 2017

26 de julho


William MacDonald
Um dia de cada vez
26 de julho

“Porque Eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; e assim os inimigos do homem serão os seus familiares.” (Mt 10:35-36, ARC, Pt)

O nosso Senhor não está falando aqui sobre o propósito expresso da Sua vinda mas antes do seu resultado inevitável. Está dizendo que cada vez que alguém O segue, experimentará amarga oposição dos seus parentes e amigos. Nesse sentido, não veio trazer paz mas espada (v. 34).

A história cumpriu a profecia. Em qualquer lugar que as pessoas se voltem para o Salvador vivente e amante, têm encontrado com impropérios e hostilidade. Têm sido ridicularizados, deserdados, expulsos das suas casas, despedidos dos seus trabalhos e em muitos casos, até assassinados.

A oposição é completamente irracional. Temos o exemplo de um pai cujo filho era viciado na cola. Quando este virou as costas às drogas e decidiu servir a Cristo ativamente, pensais que isto agradou a seu pai? Pois não! Ficou furioso. O pai admitia francamente que preferia mais que o seu filho andasse no caminho no qual estava antes.

Outros são libertados do alcoolismo, do crime, da perversão sexual e do ocultismo. Ingenuamente pensam que os seus parentes não só estarão encantados mas também quererão fazer-se Cristãos. Mas isto não acontece assim. A vinda do Senhor Jesus traz divisão na família.

Abandonar a religião dos pais para seguir a Cristo inflama as paixões mais profundas. Por exemplo, um membro de uma família judia não praticante, torna-se Cristão e isto provoca violentos arrebatamentos emocionais. O ofensor é chamado renegado, traidor e até o chegam a associar com Hitler, como inimigo dos judeus. Os protestos e as súplicas cristãs caem em ouvidos surdos.

Em muitos países muçulmanos, o converter-se a Cristo castiga-se com a morte. A sentença não a executa o governo mas a família mais próxima. A esposa, por exemplo, pode pôr vidro moído na comida do marido.

E, apesar disto, por meio da confissão clara dos novos convertidos e através de uma paciência como a de Cristo frente ao ódio e à perseguição, outros vêm a dar-se conta do vazio das suas próprias vidas e religião e voltam-se para o Senhor Jesus Cristo com arrependimento e fé. Assim cresce o povo do Senhor através da oposição e prospera no meio da perseguição.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: