… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 5 de julho de 2017

5 de julho

C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
5 de julho

“Chamados santos.” (Rm 1:7, ARC, Pt)

NÓS ESTAMOS muito propensos a considerar os santos apostólicos como se eles fossem “santos” de uma maneira mais especial do que os outros filhos de Deus. Todos aqueles a quem Deus chamou por Sua graça e santificou por Seu Espírito, são “santos”; mas nós estamos inclinados a considerar os apóstolos como seres extraordinários, dificilmente sujeitos às mesmas debilidades e tentações que nós. Não obstante, ao obrar assim, nós esquecemos esta verdade: que quanto mais perto um homem vive de Deus tanto mais intensamente lamentará a maldade do seu coração; e, quanto mais o seu Senhor o honre no Seu serviço, quanto mais, o mal da carne, o acossará e atormentará, dia a dia. O facto é que se nós tivéssemos visto o apóstolo Paulo, tê-lo-íamos considerado igual ao resto da família escolhida; e, se tivéssemos falado com ele, haveríamos dito: “Achamos que a experiência dele e a nossa têm muito de parecido. Ele é mais fiel, mais santo e mais profundamente instruído do que nós, porém ele tem de suportar as mesmas provas; Ou melhor, em alguns respeitos, é mais terrivelmente provado do que nós.” Não consideremos, por isso, os santos de antiguidade como seres isentos de debilidades ou de pecados, e não os olhemos com aquela mística reverência que nos fará quase idólatras. A santidade deles é acessível também a nós. Somos “chamados a ser santos” por aquela mesma voz que os chamou a eles para a sua alta vocação. É um dever Cristão esforçar-se por entrar no círculo íntimo da santidade. E se estes santos fossem superiores nos seus conhecimentos, como realmente o são, que os sigamos; que imitemos o seu ardor e a sua santidade. Nós temos a mesma luz que eles tiveram, a mesma graça nos é acessível, e por que temos de ficar satisfeitos até que nós os igualemos no seu caráter celestial? Eles viveram com Jesus, viveram por Jesus, e, portanto, assemelharam-se a Jesus. Que nós vivamos pelo mesmo Espírito, como eles viveram, “olhando para Jesus” e a nossa santidade logo será manifesta.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: