… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 6 de julho de 2017

6 de julho

C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
6 de julho


“Mas o que me der ouvidos habitará seguramente e estará descansado do temor do mal.” (Pv 1:33, ARC, Pt)

O amor divino torna-se visível quando brilha no meio dos julgamentos. Bela é aquela estrela solitária que sorri através da abertura da nuvem negra de trovoada; animador é o oásis que floresce no meio do deserto de areia. Também belo e animador é o amor no meio da ira. Quando os israelitas provocaram ao Altíssimo com a sua persistente idolatria, Ele castigou-os retendo-lhes o orvalho e a chuva, de maneira que a terra foi visitada com uma fome severa; mas, enquanto Deus fazia isto, Ele tomou cuidado para que os Seus escolhidos estivessem seguros. Se bem que todos os ribeiros se secaram, ainda havia um reservado para Elias; e quando também aquele se secou, Deus reservou-lhe ainda um lugar onde achar sustento. E, não só isso, o Senhor não tinha um só “Elias”, mas “um remanescente pela eleição de graça”, que foi escondido em covas, de cinquenta em cinquenta, e se bem que toda a terra estava exposta à fome, nesta ocasião estes cinquenta em cinquenta em covas foram alimentados, e alimentados das comidas de Acab, pelo fiel e temeroso mordomo Abdias. Tiremos disto a conclusão de que venha o que vier, o povo de Deus está seguro. Deixa que as comoções sacudam a Terra sólida e o próprio firmamento se rasgue em dois, pois até no meio de um mundo feito em pedaços o crente estará tão seguro como na hora mais calma do descanso. Se Deus não livra o Seu povo debaixo do céu, Ele livrá-lo-á no Céu. Se o mundo vier a ser demasiado intolerante para ter o povo de Deus, então o Céu o receberá e lhe dará um lugar seguro. Tem confiança, pois, quando ouvires de guerras e rumores de guerra. Que a agitação não te angustie, deixa de temer o mal. Qualquer coisa que vier sobre a terra, não a temas, pois tu, debaixo das amplas asas do SENHOR estarás seguro. Descansa nas Suas promessas; repousa na Sua fidelidade e desafia ao lôbrego futuro, pois não há nele nada horrível para ti. A tua única preocupação devia ser anunciar ao mundo a bem-aventurança de ouvir com atenção a voz da sabedoria.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: