… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 3 de julho de 2017

3 de julho

Oswald Chambers
My Utmost for His Highest
3 de julho  A CONCENTRAÇÃO DO PECADO PESSOAL

Ai de mim, que vou perecendo! porque eu sou um homem de lábios impuros…” (Isaías 6:5, ARC, Pt)

Quando entro na presença de Deus, não faço ideia de que sou um pecador, num sentido indefinido, mas, de repente, eu percebo que o foco da minha atenção está voltado para a concentração do pecado numa determinada área da minha vida. Qualquer pessoa pode facilmente dizer: “Oh, sim, eu sei que eu sou um pecador”, mas, quando ela entra na presença de Deus, ela não pode escapar com uma declaração tão ampla e indefinida. A nossa convicção é focada no nosso pecado específico, e percebemos, como Isaías fez, o que realmente somos. Isto é sempre o sinal de que uma pessoa está na presença de Deus. Nunca há alguma vaga sensação de pecado, mas há uma focagem na concentração do pecado em algumas áreas específica da vida pessoal. Deus começa por nos convencer da mesma coisa para a qual o Seu Espírito dirigiu a atenção da nossa mente. Se nós nos rendermos, submetendo-nos à Sua convicção desse pecado particular, Ele levar-nos-á até onde Ele pode revelar-nos a vasta natureza básica do pecado. Essa é a maneira como Deus lida sempre connosco quando estamos conscientemente cientes da Sua presença.

Esta experiência da nossa atenção estar sendo direcionada para a concentração do nosso pecado pessoal é verdade na vida de todos, desde o maior dos santos até ao pior dos pecadores. Quando uma pessoa começa a subir a escada da experiência, ela pode dizer: “Eu não sei onde foi que eu errei”, mas o Espírito de Deus chamará a sua atenção para alguma coisa definida e específica nela. O efeito da visão da santidade do Senhor sobre Isaías foi o direcionamento da sua atenção para o facto de que ele era “um homem de lábios impuros.” “E com ela [uma brasa viva] tocou a minha boca, e disse: Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniquidade foi tirada, e purificado o teu pecado.” (Is 6:7, ARC, Pt). O fogo purificador teve de ser aplicado onde o pecado se havia concentrado.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: