… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 1 de agosto de 2017

1 de agosto

“Aos Pés Do Mestre”
(At the Master’s feet),
Compilado por Audie G. Lewis
das obras 
de
C. H. Spurgeon

1 de agosto A ALMA FELIZ

“Aos chamados, queridos em Deus Pai, e conservados por Jesus Cristo: Misericórdia, e paz, e amor vos sejam multiplicadas!” (Jd 1:1-2, ARC, Pt)

As almas piedosas nunca se sentem totalmente bem a não ser que estejam num estado de proximidade a Cristo; e, observa-o bem, quando não estão perto de Cristo, perdem a paz. Quanto mais perto estão de Jesus, mais perto estão da paz celestial; e quanto mais se afastam de Jesus, mais perto estão desse mar agitado que é o contínuo soçobro da maldade. Não há paz no homem que não habita de forma permanente à sombra da cruz; porque Jesus é nossa paz e se Ele está ausente, a nossa paz também o está. Sei que ao sermos justificados, temos paz com Deus mas isto é “através de nosso Senhor Jesus Cristo”, assim que o homem justificado por si mesmo não pode produzir o fruto da justificação a não ser que permaneça em Jesus Cristo, o qual é o Senhor e o doador da paz. O Cristão sem comunhão com Cristo perde toda a sua vida e energia, é como algo morto. Não tem vitalidade, sim, é como um ser inanimado até que Cristo venha. Mas quando com ternura o Senhor derrama o Seu amor em nossos corações, então o Seu amor acende o nosso amor e o nosso sangue salta de gozo em nossas veias, como João Batista no ventre de Isabel. Quando o coração está perto de Cristo lateja fortemente e, já que Jesus Cristo está nesse coração, ele está cheio de vida, de vigor e de força.

Amados, para nós todos os prazeres da vida são como nada; havemo-los provado e considerado como lixo. Se em frente a todas as coisas mortais estamos num estado de insatisfação, então havemos aprendido através da graça divina que ninguém como Jesus pode fazer felizes as nossas almas.

Através da Bíblia num ano: Jb 13-16


Tradução de Carlos António da Rocha

*** 

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: