… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

28 de setembro


C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
28 de setembro
“O SENHOR olha desde os céus e está vendo a todos os filhos dos homens.” (Sl 33:13, ARC, Pt)

TALVEZ nenhuma outra figura de retórica represente Deus de um ponto de vista mais misericordioso do que aquela que O representa como baixando-Se do Seu trono e descendo do Céu para atender as necessidades da humanidade e notar os seus gemidos. Nós amamos Aquele que, quando Sodoma e Gomorra estavam cheias de iniquidade, não quis destruí-las até que as visitou pessoalmente. Nós, em demonstração de afecto, não podemos senão pelo menos derramar os nossos corações diante do Senhor, que inclina o Seu ouvido desde a magnífica glória e o põe nos lábios do agonizante pecador, cujo débil coração anseia ser reconciliado. Que outra coisa podemos fazer senão amá-Lo, quando sabemos que Ele conta todos os nossos cabelos, observa o nosso caminho e ordena o nosso coração?! Especialmente é esta a grande verdade que trazemos perto do nosso coração quando recordamos quão solícito é Ele, não só para com os interesses materiais das Suas criaturas, mas também para com as suas inquietações espirituais. Ainda que medeiem léguas de distância entre a finita criatura e o infinito Criador, há, sem embargo, elos que os unem. Quando dos teus olhos cai uma lágrima, não penses que Deus não a olha, porque “Assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o SENHOR Se compadece daqueles que O temem.” O teu suspiro pode comover o coração do Senhor. O teu sussurro pode inclinar o Seu ouvido para ti. A tua oração pode deter a Sua mão; a tua fé pode mover o Seu braço. Não penses que Deus está sentado nas alturas, sem cuidar de ti. Recorda que, ainda que sejas pobre e necessitado, sem embargo, Deus pensa em ti. “Porque, quanto ao SENHOR, os Seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-Se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com Ele.”

Oh! Então repete a verdade que nunca cansa;
Nenhum Deus é como o Deus que o meu coração anseia;
Ele, a cuja voz o Céu treme, certamente Ele,
Grande como Ele é, sabe como inclinar-Se para mim.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: