… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

14 de outubro


C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
14 de outubro
“Portanto, qualquer que Me confessar diante dos homens, Eu o confessarei diante de Meu Pai, que está nos céus.” (Mt 10:32, ARC, Pt)


Promessa misericordiosa! É para mim um grande gozo confessar quem é o meu SENHOR. Sejam quais forem as minhas faltas, não me envergonho de Jesus, nem temo declarar as doutrinas da Sua Cruz. Oh, SENHOR, não tenho escondido a Tua justiça dentro do meu coração!



Excelente é a expectativa que o versículo põe diante de mim! Os amigos abandonam e os inimigos exultam, porém o SENHOR não nega o Seu servo. O meu SENHOR reconhecer-me-á, sem dúvida, até mesmo aqui, e dar-me-á novos sinais da Sua favorável consideração. Mas, aproxima-se o dia quando terei de estar diante do grande Pai. Que beatitude é pensar que Jesus me confessará então! Ele dirá: “«Este homem confiou em Mim, verdadeiramente, e esteve sempre pronto a ser vituperado por amor do Meu Nome; e portanto, reconheço-o como Meu.» Outro dia um grande homem foi feito cavaleiro, e a rainha investiu-o na preciosa Ordem da Jarreteira; porém, que valor teve isso? Será uma honra que sobrepuje a todas as honras quando o SENHOR Jesus nos confesse na presença da Majestade divina nos Céus. Que eu nunca me envergonhe de confessar o meu SENHOR. Que eu nunca me entregue a um covarde silêncio, ou aceite um arranjo proveniente de um coração desfalecido. Envergonhar-me-ei de reconhecer Aquele que promete reconhecer-me?


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: