… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 16 de outubro de 2016

16 de outubro

William MacDonald
Um dia de cada vez
16 de outubro
“Porque do céu se manifesta a ira de Deus sobre toda a impiedade e injustiça dos homens.” (Rm 1:18, ARC, Pt)

Em momentos pontuais da história, Deus irrompeu em juízo sobre os homens para mostrar quão grande é o Seu desgosto por certos pecados que eles cometeram. Obviamente, não fulmina os homens de cada vez que cometem estes pecados. Se assim fosse, a população do mundo teria sido drasticamente reduzida. Mas, ocasionalmente, tem-nos castigado severamente para advertir os homens de que a impiedade e a injustiça não podem ficar sem castigo. Se Deus não trata com estes pecados agora, com toda certeza que O fará na eternidade.



Quando Deus viu que a Terra se corrompia e enchia de violência, enviou um dilúvio, pelo qual destruiu o mundo (Gn 6:13). Somente oito pessoas escaparam com vida.



Mais tarde, as cidades de Sodoma e Gomorra converteram em centros de homossexualidade (Gn 19:1-13). Sodoma era, também, culpada de soberba, da saciedade de pão e de abundância de ociosidade (Ez 16:49). Deus revelou a Sua ira desde o Céu, fazendo chover fogo e enxofre sobre estas cidades, destinando-as à extinção perpétua.



“Nadab e Abiú morreram perante o SENHOR quando ofereceram fogo estranho” (Nm 3:4). Deviam utilizar o fogo do altar (Lv 16:12), mas decidiram aproximar-se de Deus de outra maneira. Ao castigá-los com a morte instantânea, o Senhor advertiu as futuras gerações contra qualquer intento de aproximar-se dEle de uma maneira distinta daquela que Ele tinha estabelecido.



Nabucodonosor, rei de Babilónia, não reconheceu o Altíssimo que governa os assuntos dos homens. Pelo contrário, reclamou para si toda a honra pela glória de Babilónia. Deus castigou-o com a loucura. O rei foi tirado de entre os homens e comia erva como os bois, o seu corpo molhava-se com o rocio do céu, o seu cabelo cresceu como plumas de águia e as suas unhas como as das aves (Dn 4:33). Ananias e Safira pretenderam fazer um enorme sacrifício vendendo a sua propriedade para o Senhor, mas, retiveram, secretamente, uma parte para eles mesmos (At 5:1-11). Ambos morreram repentinamente como advertência contra a insinceridade na adoração e no serviço. Pouco depois, Herodes aceitou o louvor dos seus súbditos em vez de dar a glória a Deus. Expirou comido de vermes (At 12:22-23).



Os homens pecadores não devem presumir ante o silêncio aparente e a ausência de actividade de Deus. O facto de que Ele nem sempre castigue o pecado imediatamente não significa que não o castigará no final. Ele, em casos isolados, através dos anos, tem dado o Seu veredicto e revelado as penalidades que se lhe seguem.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: