… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 18 de outubro de 2016

18 de outubro



William MacDonald
Um dia de cada vez
18 de outubro
“Tenho mais entendimento do que todos os meus mestres, porque os Teus testemunhos são a minha meditação. Entendo mais do que os antigos; porque guardo os Teus preceitos.” (Sl 119:99-100, ARC, Pt)

Quando lemos pela primeira vez estes versículos eles soam como as palavras dum fanfarrão imaturo ou como as de um egoísta bem desenvolvido. Surpreendemo-nos ao encontrar estas palavras jactanciosas na Bíblia. Até nos parecem ser anti cristãs.

Não obstante, ao estudar os versículos mais atentamente, encontramos uma pista que elimina esta dificuldade. O salmista oferece uma razão que explica o seu conhecimento superior: “...porque os Teus testemunhos são a minha meditação”. Por outras palavras, afirma que tem mais entendimento do que todos os seus mestres que não conhecem as Escrituras. Entende mais do que os velhos, cujo conhecimento é somente secular. Não se contrasta a si mesmo com outros crentes, mas tão somente com os homens deste mundo. Não há dúvida de que está certo! O crente mais humilde pode ver mais sobre os seus joelhos do que o mais culto incrédulo nas pontas dos pés. Consideremos algumas ilustrações:

Um governante assegura ao povo que haverá paz no mundo se forem implementadas uma série de ações. Numa aldeia, um camponêsc escuta o discurso pela rádio. Sabe que jamais haverá paz até que o Príncipe de Paz estabeleça o Seu Reino sobre a Terra. Não será até então, quando os homens modifiquem as suas espadas em arados e deixem de adestrar-se para a guerra. Aquele hortelão tem mais entendimento do que aquele político.

Encontramo-nos com um afamado cientista que ensina que o Universo, tal e qual como o conhecemos, veio à existência sem nenhuma agência divina. Sentado na aula está um recém convertido a Cristo. Por meio da fé, este estudante entende que o Universo foi inteiramente organizado pela Palavra de Deus, de modo que o que se vê foi feito do que não se via (Hb 11:3). O estudante tem um discernimento que o cientista não possui.

Uma vez mais, pensemos no psicólogo que busca explicar a conduta humana através de teorias de homens que não aceitam o facto do pecado inato. O crente que conhece a Palavra de Deus sabe que todo o homem herda uma natureza perversa e corrupta, e que no caso de que isto não se reconheça, só levará a soluções inúteis para os problemas do Homem.

O salmista não se estava comprazendo numa frívola vanglória ao dizer que tinha mais entendimento do que todos os seus mestres. Aqueles que caminham pela fé têm uma visão maior do que os que caminham pela vista. Aqueles que meditam nos testemunhos de Deus discernem verdades que estão escondidas dos sábios e dos prudentes.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: