… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

20 de outubro

C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
20 de outubro
“Cresçamos em tudo nAquele que é a cabeça, Cristo.” (Ef 4:15, ARC, Pt)

MUITOS Cristãos permanecem anões nas coisas espirituais, de maneira que têm sempre o mesmo aspecto. Existem, mas não “crescem em tudo nAquele que é a cabeça, Cristo.” Não se vê neles nenhum sinal de progresso ou de perfeição. Estaremos satisfeitos permanecendo na “erva”, quando podemos dar um passo adiante e sermos “espiga”, e transformarmo-nos, com o tempo, em “grão cheio na espiga”? Ficaremos satisfeitos apenas com o crer em Cristo, e dizer: “Estou salvo”, sem desejar, por experiência própria, conhecer mais da plenitude que há nEle? Não deveria ser assim. Como bons negociantes do mercado do Céu deveríamos anelar ser enriquecidos no conhecimento de Jesus. É muito bom cuidar da vinha dos outros homens, mas não devemos descuidar o nosso próprio crescimento e nem a nossa própria maturidade espiritual. Por que é que nos nossos corações tem de ser sempre inverno? Necessitamos, é verdade, duma estação para a sementeira, mas ansiamos que cheguem também a primavera e o verão, que nos trarão a promessa de uma colheita temporã. Se queremos ser amadurecidos na graça temos de viver perto de Jesus, na Sua presença, maturados pela luz do Seu rosto. Temos de manter com Ele uma doce comunhão. Temos de deixar de olhar o Seu rosto de longe e acercar-nos dEle, como fez João, e recostar a nossa cabeça no Seu seio. Então achar-nos-emos progredindo em santidade, em amor, em fé e em esperança; sim, em cada um dos preciosos dons. Assim como o Sol nasce primeiro nos picos das montanhas e os doura com a sua luz, e apresenta ao olho do viajante um dos espectáculos mais encantadores; assim também um dos quadros mais preciosos do mundo espiritual tê-lo-emos quando contemplamos o brilho da luz do Espírito sobre a cabeça de algum crente, que tem surgido em estatura espiritual, como Saúl, acima dos seus companheiros, até que, como um Alpes grandioso, coroado de neve, reflete, em primeiro lugar, sobre os escolhidos os raios do Sol da Justiça, e difunde o brilho do Seu esplendor muito acima nas alturas, para que todos O vejam, e vendo-O, glorifiquem o Seu Pai que está nos Céus.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Tenho deixado os meus leitores desfrutarem das publicações inéditas que vou apensando diariamente no meu blogue. Casualmente verifiquei que as Meditações Matutinas e Vespertinas de C. H. Spurgeon que eu traduzi estão publicadas qua

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Tenho deixado os meus leitores desfrutarem das publicações inéditas que vou apensando diariamente no meu blogue. Casualmente verifiquei que as Meditações Matutinas e Vespertinas de C. H. Spurgeon que eu traduzi estão publicadas ipsis verbis no Brasil, sem indicação do autor, ao preço de R$45,00 e em Portugal a €19.99 EUR!!!

Que roubalheira!!!

Isto dói e não é sério nem cristão.

Carlos

Sem comentários: