… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 30 de outubro de 2016

30 de outubro

C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
30 de outubro
“Eu te louvarei, SENHOR.” (Sl 9:1, ARC, Pt)



O louvor devia seguir-se sempre à oração respondida, assim como a névoa da gratidão terrestre se eleva quando o sol do amor celestial aquece o solo. Foi o Senhor misericordioso para contigo e inclinou o Seu ouvido à voz da tua súplica? Então louva-O enquanto vivas. Deixa que o fruto amadurecido caia no chão fértil de onde extraiu a sua vida. Não negues um cântico Àquele que respondeu à tua oração e te concedeu o desejo do teu coração. Estar calado perante as bênçãos de Deus é incorrer na ingratidão; é obrar tão vilmente como os nove leprosos, os quais, depois de terem sido curados, não voltaram para dar graças ao Senhor que os tinha curado. Descuidar o louvor a Deus é recusar beneficiar-nos a nós próprios, pois o louvor, tal como a oração, é um poderoso meio para estimular o crescimento na vida espiritual. O louvor ajuda-nos a tirar as nossas cargas; a estimular a nossa esperança e acrescentar a nossa fé. O louvor é um exercício saudável e revigorizante que aviva o pulso do crente, e lhe dá forças para realizar novas façanhas no serviço do Mestre. O bendizer a Deus pelas bênçãos recebidas é, além disso, o meio para beneficiar o nosso próximo: “os mansos o ouvirão e se alegrarão”. Outros, que passaram pelas mesmas circunstâncias, tomarão alento se podermos dizer: “Oh! Engrandecei ao SENHOR comigo; e juntos exaltemos o Seu nome. Clamou este pobre, e o SENHOR o ouviu.” Os corações débeis fortalecer-se-ão, e os crentes desanimados reanimar-se-ão enquanto escutam os nossos “alegres cantos de livramento.” As suas dúvidas e temores sentir-se-ão censuradas enquanto nos ensinamos e admoestamos uns aos outros “com salmos, e hinos, e cânticos espirituais.” Eles também “cantarão os caminhos do SENHOR”, quando nos ouvirem magnificar o Seu santo nome. O louvor é o mais sublime dos deveres Cristãos. Os anjos não oram, mas eles nunca cessam de louvar tanto de dia como de noite; e os redimidos, vestido com compridas vestes brancas, com ramos de palmeira nas suas mãos, nunca se cansam de cantar a nova canção, “Digno é o Cordeiro.”

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.


Tenho deixado os meus leitores desfrutarem das publicações inéditas que vou apensando diariamente no meu blogue. Casualmente verifiquei que as Meditações Matutinas e Vespertinas de C. H. Spurgeon que eu traduzi estão publicadas ipsis verbis no Brasil, sem indicação do autor, ao preço de R$45,00 e em Portugal a €19.99 EUR!!!
Que roubalheira!!!
Isto dói e não é sério nem cristão.
Carlos

Sem comentários: