… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

5 de outubro


C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
5 de outubro
“Levantou-se, pois, e comeu e bebeu; e com a força daquela comida caminhou quarenta dias e quarenta noites.” (1Rs 19:8, ARC, Pt)

TODA a força que nos dá o bondoso Deus, no-la dá para servir, não para a libertinagem ou para a jactância. Quando o profeta Elias, estando debaixo do zimbro, achou uma torta cozida sobre as brasas e viu, à sua cabeceira, a cântara de barro da água, ele não era um gentleman e não devia, como fazem alguns, satisfazer-se com delicadas comidas, para depois, espreguiçar-se descansadamente. Pelo contrário, ordenou-se-lhe que caminhasse, com a força daquela comida, quarenta dias e quarenta noites, dirigindo-se até Horeb, o monte de Deus. Quando o Mestre convidou os discípulos a “chegarem-se e comer” com Ele, depois de terem comido, disse a Pedro: “Apascenta as Minhas ovelhas.” Mais adiante, acrescenta: “Segue-Me.” Assim se passa connosco. Comemos o pão do Céu para empregar depois a nossa força no serviço do Mestre. Achegamo-nos à Páscoa e comemos o cordeiro pascal com os lombos cingidos, e o bordão na mão, para partir em seguida, quando a nossa fome fique satisfeita. Alguns Cristãos vivem de Cristo, mas não estão ansiosos por viver para Ele. A Terra deve ser uma preparação para o Céu. O Céu é o lugar onde os santos mais comem e mais trabalham. Sentam-se à mesa do nosso Senhor e servem-nO dia e noite no Seu templo. Comem do alimento celestial e prestam serviço perfeito. Crente, com a força que diariamente consegues de Cristo, trabalha para Ele. Alguns de nós temos ainda muito que aprender quanto ao propósito do Senhor, ao dar-nos a Sua graça. Não temos de reter os preciosos grãos de verdade, como as múmias do Egipto retiveram por séculos o grão de trigo, sem lhe dar oportunidade de crescer. Temos de semeá-lo e regá-lo. Por que é que o Senhor envia a chuva sobre a Terra sedenta, e nos dá a luz do Sol que favorece o crescimento? Não é verdade que estes podem ajudar todos os frutos da Terra a produzir alimentos para o homem? Assim mesmo o Senhor alimenta e refrigera as nossas almas, para que depois usemos as nossas renovadas forças para a promoção da Sua glória.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: