… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 8 de outubro de 2016

8 de outubro

C. H. Spurgeon
Leituras Vespertinas
8 de outubro
“Orando no Espírito Santo.” (Jd 1:20, ARC, Pt)

OBSERVA a notável característica da verdadeira oração: “no Espírito Santo.” A semente da devoção aceitável deve vir dos celeiros do céu. Só a oração que procede de Deus pode voltar para Deus. As setas que o Senhor nos atira devemos devolver-lhas a Ele. Aquele desejo que Deus escreveu nos nossos corações comoverá o Seu coração e trará bênção, porém os desejos da carne não têm poder diante dEle.

Orar no Espírito Santo é orar com fervor. As orações frias pedem ao Senhor que não as ouça. Aqueles que não rogam com fervor, não rogam de modo algum. Também falar de orações mornas é como falar de fogo morno. É essencial que a oração seja candente. Orar pelo Espírito é orar com perseverança. O verdadeiro suplicante vai adquirindo aos poucos poder, à medida que avança na oração e, quando Deus demora a responder, ele ora com mais fervor. Quanto mais tempo o portão está fechado, tanto mais ele usa a aldraba violentamente, e quanto mais tempo demora o anjo, tanto mais resolvido está ele que nunca o deixará ir, a não ser que ele lhe dê a bênção. Formosa é aos olhos de Deus a importunidade que chora, que agoniza e que vence. Isto refere-se a orar humildemente, porquanto o Espírito Santo nunca nos enche de orgulho. O Seu ofício é convencer do pecado e assim humilhar-nos em contrição e quebrantamento de espírito. Nunca cantaremos “Gloria in excelsis” (glória nas alturas) a não ser que oremos a Deus “De profundis” (em profundidade de espírito). Devemos clamar das profundezas, ou nunca contemplaremos a glória nas alturas. Isto é amar através da oração. A oração deve estar perfumada com amor, saturado com amor – amor pelos nossos confrades santos, e amor por Cristo. Além disso, ela deve ser uma oração cheia de fé. Um homem prevalece apenas enquanto crê. O Espírito Santo é o autor da fé, e fortalece-a, para que oremos crendo na promessa de Deus. Oh, que esta bem-aventurada combinação de excelentes graças, inestimável e perfumada como as especiarias dos mercados, possa ser muito agradável intimamente em nós porque o Espírito Santo está em nossos corações! Oh mais bem-aventurado Consolador, exerce o Teu grandioso poder em nós, ajudando as nossas fraquezas na oração.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: