… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 9 de outubro de 2016

9 de outubro



William MacDonald
Um dia de cada vez
9 de outubro
“Que guardes os mandamentos do SENHOR, e os Seus estatutos, que hoje te ordeno, para o teu bem?” (Dt 10:13, ARC, Pt)

Notemos as últimas quatro palavras do versículo de hoje: “Para que tenhas prosperidade.” (noutras versões) Todos os mandamentos do Senhor são para nosso bem, mas muitos não se dão conta disto. Consideram Deus como um Juiz severo que impõe regras e mandamentos que tiram a alegria da vida. Mas, não é assim! Ele quer o nosso bem-estar e o nosso prazer, e desenha todas as Suas leis com esse fim.

Tomemos, por exemplo, alguns dos Dez Mandamentos. Por que diz Deus que não devemos ter outros deuses? Porque Ele sabe que os homens tornam-se parecidos com os objectos que adoram, e os falsos deuses conduzem à depravação.

Por que diz Deus para que não façamos para nós imagens esculpidas? Porque a idolatria está vinculada estreitamente ao demonismo. “O que os gentios sacrificam, aos demónios o sacrificam” (1Co 10:20), e o propósito dos demónios é sempre destruir.

Por que aparta Deus um dia, de entre sete, para descansar? Porque Ele criou o homem e conhece que pela sua constituição requer descansar do trabalho. Alguns países que procuram fazer cumprir a semana de trabalho de sete dias encontraram que a produtividade veio abaixo e tiveram que abandonar o experimento.

Por que manda Deus que os filhos obedeçam aos seus pais? Porque isto economiza ao menino uma vida de temeridade e desordem e até da morte prematura.

Por que proíbe Deus o adultério? Porque sabe que destrói o lar e a família, assim como a felicidade dos implicados nisso.

Por que proíbe Deus o assassinato? Porque conduz à culpa e ao remorso, ao cárcere e em algumas ocasiões à pena capital.

Por que condena Deus a cobiça? Porque o pecado começa na mente. Se ali lhe dermos rédea solta, a longo prazo, cometeremos aquele ato. A menos que controlemos a fonte, não poderemos controlar a corrente que dela emana.

E assim acontece com os outros pecados, tomar o Nome de Deus em vão, roubar, dar falso testemunho, etc.

Não podemos ficar sem castigo. Infligem uma perda ao nosso espírito, alma e corpo. Todo o pecado provoca reações secundárias que despojam o pecador da paz, do gozo e do bem-estar. Colhemos o que semeamos; o pecado volta-se contra nós.

Há alguns anos alguém escreveu um livro titulado “As Leis Bondosas de Deus”. São realmente bondosas porque elas foram planeadas para o nosso bem.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: