… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 16 de outubro de 2016

16 de outubro

C. H. Spurgeon
Leituras Vespertinas
16 de outubro
“Porque em Ti está o manancial da vida.” (Sl 36:9, ARC, Pt)

HÁ ocasiões na nossa experiência espiritual quando o conselho ou a simpatia, ou os atos religiosos não nos podem confortar ou ajudar. Por que permite isto o nosso misericordioso Deus? Possivelmente é porque estivemos vivendo muito tempo sem Ele, e Ele, por isso, tira-nos tudo aquilo em que confiamos com o fim de nos levar até Ele. É uma bênção viver junto ao manancial principal. Enquanto os nossos odres estão cheios estamos satisfeitos, como Agar e Ismael, estando no deserto, mas quando aqueles estão sem água, nada nos valerá exceto “Tu és Deus da vista.” Nós somos como o pródigo, amamos os atoleiros dos porcos e esquecemos a casa do nosso Pai. Lembra-te que podemos transformar as cerimónias da religião em atoleiros e em bolotas para os porcos. Essas cerimónias são coisas santas, mas há o perigo de que as ponhamos no lugar de Deus e, então, elas não têm valor algum. Qualquer coisa torna-se um ídolo quando ela te mantém longe de Deus. Até a serpente de metal tem de ser desprezada como “Neustan” se a adorarmos em lugar de Deus. O pródigo nunca esteve mais seguro do que quando voltou para o seio de seu pai, porque ele não podia achar sustento em nenhuma outra parte. O nosso Senhor favorece-nos com a fome na terra para que ela nos leve a buscá-Lo ainda mais. A melhor posição para um Cristão estar é viver confiado totalmente e sem rodeios na graça de Deusembora permaneça no lugar onde ele se achava ao princípio“como nada tendo e possuindo tudo.” Nunca pensemos, nem por um momento, que a nossa posição a devemos à nossa santificação, mortificação, dons ou sentimentos, mas sabemos que somos salvos porque Cristo ofereceu uma expiação perfeita, porquanto nós estamos completos nEle. Não tendo nada nosso em que confiar, mas descansando nos méritos de Jesus, a Sua paixão e a Sua vida santa fornecem-nos a única base segura de confiança. Amados, quando estivermos sedentos, dirijamo-nos com ansiedade para o manancial da vida.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: