… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

11 de novembro


William MacDonald
Um dia de cada vez
11 de novembro
“O que responde antes de ouvir comete estultícia que é para vergonha sua.” (Pv 18:13, ARC, Pt)

Uma paráfrase da Bíblia apresenta assim este versículo: “Que vergonha, sim, que néscio! Decidir antes de conhecer os factos!” Isto realça uma importante lição. Não se pode fazer uma decisão inteligente até se ter conhecimento de todos os factos. Infelizmente muitos Cristãos não esperam até conhecer ambos os lados de um assunto. Formam um juízo prematuro sobre a base da história de uma das partes e frequentemente esse juízo está totalmente errado.

Em 1979 Virgolino Baratino (nome fictício) era um dos diáconos de uma igreja evangélica. Era extremamente popular. Tinha uma personalidade cálida e extrovertida. Cada vez que entrava numa sala cheia de gente, parecia iluminá-la. Distinguia-se pela forma como servia aos membros da igreja de cada vez que eles necessitavam de ajuda. Estava sempre atento para com os de idade avançada da congregação. A sua esposa e os seus dois filhos também tomavam parte nos assuntos da igreja. Os Baratinos eram vistos como uma família modelo.

Portanto, foi como se tivesse rebentado uma bomba, quando se soube que os anciãos tinham disciplinado Virgolino Baratino, destituindo-o do seu trabalho como diácono e pedindo-lhe que se abstivesse de participar na Ceia do Senhor. Os seus amigos reuniram-se para sair em sua defesa e foram ter com outros membros da igreja para se oporem à decisão dos anciãos. Os anciãos estavam em desvantagem, não querendo tornar público o anúncio de tudo o que sabiam. De modo que tiveram que resignar-se a escutar como exaltavam as virtudes de Virgolino Baratino, sabendo que havia outro lado da história. Sofreram impropérios e duro tratamento no processo.

O que era o que sabiam os anciãos? Sabiam que o casamento de Virgolino Baratino estava quase a arruinar-se porque este tinha estado mantendo relações amorosas com a sua secretária. Sabiam que tinha malversado recursos da igreja para financiar o seu custoso estilo de vida. Sabiam que se dedicava a práticas de negócios imorais e que o seu testemunho no mundo dos negócios era negativo. Também sabiam que ele lhes tinha mentido quando o confrontaram com a evidência do seu mal proceder.

Em vez de se submeter à disciplina dos anciãos, Virgolino Baratino organizou os seus amigos em aberto desafio, até com o risco de dividir a igreja. Casualmente alguns dos seus seguidores falaram com um dos anciãos e chegaram a saber dalguns dos tristes actos de Virgolino Baratino. Sentiram-se tão envergonhados que mudaram radicalmente de postura. Outros continuaram pelejando a seu favor.

De tudo isto surgem três lições para nós. Primeiro, não trates de formar um juízo antes de conheceres todos os factos. Segundo, se não podes conhecer todos os factos, detém o teu juízo. Por último, não permitas que os vínculos da amizade te pressionem a defender uma injustiça.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: