… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 15 de novembro de 2016

15 de novembro

Aos Pés Do Mestre
(At the Master’s feet),
Compilado por Audie G. Lewis
das obras de
C. H. Spurgeon
15 de novembro – PERSEVERA NA ORAÇÃO

“Tendo, todos eles, harpas e salvas de ouro, cheias de incenso, que são as orações dos santos.” (Ap 5:8, ARC, Pt)

Os homens devem “orar sempre, e nunca desfalecer” (Lucas 18:1). Semana após semana, mês após mês, ano após ano, a conversão daquele filho amado deve ser o motivo do rogo constante do pai. Trazer para os pés de Cristo a esse esposo inconverso tem de ser a constante súplica do coração da esposa, dia e noite até que o obtenha; o facto de ter estado orando sem êxito aparente durante dez ou vinte anos não se deve tomar como uma razão para deixar de orar; ela não tem autoridade alguma para dizer a Deus qual é o tempo nem o momento adequado, mas, sim, enquanto tenha vida e viva também o objeto da sua constante oração, ela tem de continuar insistindo ante o poderoso Deus de Jacob.

O pastor não deve procurar uma bênção ocasional para o seu povo, e ao receber um pouco dela deixar de interceder, mas, sim, deve continuar com veemência, sem se deter, sem diminuir as suas energias, com os seus rogos e súplicas, até que veja as janelas dos céus totalmente abertas derramando uma bênção muito grande para que a receba. Contudo, quantas vezes pedimos a Deus e não recebemos porque não esperamos o suficiente diante da Sua porta! Oh, que por graça aprendamos a esperar junto ao anjo de Deus e nunca, nunca, nunca relaxemos as nossas forças, ao compreender que não devemos desfalecer até obtermos aquilo pelo qual oramos, porque as almas dependem disso, a glória de Deus está envolta nisto e o estado de nossos semelhantes está em perigo. Não podemos cessar de orar pelas nossas almas nem pelas dos nossos seres mais queridos, nem pelas almas do resto dos homens. Temos de orar uma e outra vez até que obtenhamos a resposta.

A Bíblia, do princípio ao fim, num ano: Ap 1-2


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: