… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 22 de novembro de 2016

22 de novembro


C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
22 de novembro
“Naqueles dias, e naquele tempo, diz o SENHOR, buscar-se-á a maldade de Israel, e não será achada; e os pecados de Judá, mas não se acharão; porque perdoarei os remanescentes que Eu deixar de resto.” (Jr 50:20, ARC, Pt)


Promessa extraordinária! Como é amplo o perdão aqui oferecido às nações pecadoras de Israel e de Judá! O pecado será de tal maneira tirado que não aparecerá. Glória ao Deus perdoador!



Satanás busca pecados para acusar-nos. Os nossos inimigos buscam-nos para nos culparem. E até a nossa própria consciência os busca com uma ansiedade mórbida. Porém, quando o Senhor nos aplica o precioso sangue de Jesus, não devemos temer qualquer desses exames, pois os pecados “não aparecerão”, “não se acharão”. O Senhor tem feito com que os pecados do Seu povo cessem de existir: tem acabado com a transgressão, e tem posto um fim ao pecado. O sacrifício de Jesus lançou os nossos pecados nas profundezas do mar. Isto faz-nos dançar de alegria.



A razão da obliteração dos nossos pecados apoia-se no facto de que o próprio SENHOR perdoa aos Seus escolhidos. A Sua palavra de graça não é apenas a de um rei, mas é também a de um Deus. Ele dá-nos absolvição e somos absolvidos. Ele aplica a expiação, e a partir dessa hora o Seu povo está livre de todo o temor da condenação! Bendito seja o nome do Deus aniquilador do pecado!



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: