… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

24 de novembro

C. H. Spurgeon

Leituras Vespertinas

24 de novembro
“Um pouco de sono, adormecendo um pouco, encruzando as mãos outro pouco, para estar deitado, assim sobrevirá a tua pobreza como um ladrão, e a tua necessidade, como um homem armado.” (Pv 24:33-34, ARC, Pt)

O PIOR dos preguiçosos somente procura um pouco de sono; indignar-se-iam se os acusassem de absoluta ociosidade. Encruzando as mãos outro pouco, para estar deitado, é tudo o que almejam, e têm uma multidão de razões para demonstrar que esse prazer é muito conveniente. Apesar de tudo, por esses “poucos” o dia declina, o tempo para trabalhar termina e o campo está coberto de espinhos. É por pequenas procrastinações que os homens arruínam as suas almas. Não têm intenção de adiar por anos, afirmam que dentro de poucos meses se apresentará um tempo mais propício. Se tu quiseres, eles atenderão amanhã as coisas sérias; porque o momento presente está tão ocupado e é tão completamente inconveniente que eles pedem para serem escusados. Tal como as areias de um relógio, o tempo passa, a vida é desperdiçada em pequenas porções e o tempo da graça perde-se por um pouco de sono. Oh que sejamos sábios, que deitemos mão à hora que voa e que aproveitemos os momentos que fogem sobre asas! Que o Senhor nos ensine esta sagrada sabedoria, porque, caso contrário, uma pobreza do pior género nos aguarda, pobreza eterna que desejará até uma gota de água e mendigará por ela em vão. Como um viajante que segue perseverantemente o seu caminho, a pobreza alcança o preguiçoso e a perdição arruína o indeciso: cada hora traz o perseguidor temido para mais perto, ele não se detém junto ao caminho, porquanto ele está ao serviço do seu patrão e não pode demorar-se. Como um homem armado entra com autoridade e poder, assim a pobreza virá para o preguiçoso e a morte para o impenitente, e não haverá fuga. Oh se os homens fossem sábios, a tempo, e procurassem diligentemente o Senhor Jesus, antes que amanheça o solene dia quando será muito tarde para lavrar e semear, muito tarde para arrepender-se e crer. Na época em que se efectuam as colheitas é inútil lamentar-se que a sementeira foi descuidada. Até agora, a fé e a decisão santa são oportunas. Que nós as possamos obter esta noite.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Tenho deixado os meus leitores desfrutarem das publicações inéditas que vou apensando diariamente no meu blogue. Casualmente verifiquei que as Meditações Matutinas e Vespertinas de C. H. Spurgeon que eu traduzi estão publicadas quase ipsis verbis no Brasil, sem indicação do autor, ao preço de R$45,00 e em Portugal a €19,99 EUR!!!
Que roubalheira!!!
Isto dói e não é sério nem cristão.
Carlos

Sem comentários: