… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

25 de novembro


C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
25 de novembro
“Quem és tu, ó grande monte? Diante de Zorobabel tornar-te-ás uma campina; porque Ele trará a pedra angular com aclamações: Graça, graça a ela.” (Zc 4:7, ARC, Pt)

Neste momento talvez tenhamos encontrado no nosso caminho uma montanha de dificuldades, misérias, necessidades, que com a nossa razão natural não conseguiremos saltar. Não podemos tão-pouco buscar outro caminhe. Todavia, se a fé intervém, a montanha desaparece imediatamente e torna-se numa planície. Antes de tudo, porém, a fé deve ouvir a Palavra do Senhor: “Não por força nem por violência, mas pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos.” Esta grande verdade é o segredo que nos faz enfrentar as provas insuperáveis da vida.



Compreendo que nada posso fazer e toda a confiança nos homens é coisa vã. “Não por força” sugere que não devemos confiar em nenhum dos meios visíveis, mas no poder do Espírito invisível. Só Deus pode operar e não há que contar com os homens nem com os meios. Se o Deus Todo-Poderoso cuida dos interesses do Seu povo então os montes desaparecerão. Os mundos são tão leves nas Suas mãos como a bola nas mãos de um menino, ou como a chuta com o seu pé. Ele pode conceder-me este poder. Se o Senhor me mandar que transponha os Alpes, poderei fazê-lo em Seu Nome. Pode ser uma grande montanha, mas a minha fraqueza poderá reduzi-la a planície, porque o Senhor o tem dito. O que temerei se Deus é por mim?

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: