… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 26 de novembro de 2016

26 de novembro


C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
26 de novembro
“Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças.” (Ec 9:10, ARC, Pt)

“TUDO quanto te vier à mão para fazer” refere-se aos trabalhos que são possíveis. Há muitas coisas que o nosso coração acha para fazer, que jamais as faremos. Está bem que elas estejam no nosso coração, mas se queremos ser eminentemente úteis, não temos de estar satisfeitos fazendo projectos em nossos corações e falando deles, mas temos de levá-los a cabo. Uma boa obra vale mais do que mil brilhantes teorias. Não aguardemos por experiências excepcionais, nem por diferentes espécies de obras, mas façamos diariamente “tudo quanto nos vier à mão para fazer.” Nós não temos outro tempo que o presente no qual viver. O passado foi-se; o futuro não chegou; nunca, pois, teremos outro tempo que o presente. Não esperes, então, até que a tua experiência chegue à maturidade para tentares servir a Deus. Esforça-te, agora, por produzires fruto. Serve a Deus agora, mas olha cuidadosamente como realizas aquilo que te vier à mão para fazer: “faze-o conforme as tuas forças.” Fá-lo prontamente, não desperdices a tua vida pensando no que te propões fazer amanhã, como se isso pudesse compensar o ócio de hoje. Jamais algum homem serviu a Deus fazendo coisas amanhã. Se glorificamos a Cristo e recebemos bênçãos dEle é pelas coisas que fazemos hoje. Qualquer coisa que faças para Cristo, põe nela toda a tua alma. Não apresentes a Cristo uma pequena obra indistinta, feita de vez em quando, como algo comum. Quando O sirvas, serve-O, pelo contrário, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua força.

Mas, onde está a força do Cristão? Não está em si mesmo, pois ele é uma perfeita fraqueza. A sua força reside no Senhor dos Exércitos. Busquemos, pois, a Sua ajuda. Obremos com oração e com fé; e quando tivermos terminado “tudo quanto nos vier à mão para fazer”, esperemos no Senhor, pela Sua bênção. O que façamos assim estará bem feito e não falhará nos seus resultados.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Tenho deixado os meus leitores desfrutarem das publicações inéditas que vou apensando diariamente no meu blogue. Casualmente verifiquei que as Meditações Matutinas e Vespertinas de C. H. Spurgeon que eu traduzi estão publicadas quase ipsis verbis no Brasil, sem indicação do autor, ao preço de R$45,00 e em Portugal a €19,99 EUR!!!
Que roubalheira!!!
Isto dói e não é sério nem cristão.
Carlos

Sem comentários: