… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

28 de novembro



C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
28 de novembro
“O SENHOR mandará que a bênção esteja contigo nos teus celeiros, e em tudo o que puseres a tua mão.” (Dt 28:8, ARC, Pt)


Se obedecermos ao Senhor, nosso Deus, Ele abençoará o que nos dá. As riquezas não são uma maldição, quando são abençoadas pelo Senhor. Quando os homens têm mais do que precisam para as suas necessidades imediatas, e começam a guardar em celeiros, o caruncho da cupidez, ou, a influência maligna da falta de compaixão, são propensas a acompanhar a acumulação. Com a bênção de Deus, porém, não é assim. A prudência põe em ordem as economias, a liberalidade dirige as despesas, a gratidão mantém a consagração e o louvor torna mais agradável o prazer. É uma grande misericórdia contar com a bênção de Deus sobre a nossa caixa forte, e sobre a nossa conta bancária.



Que favor nos é concedido com a última frase! “O SENHOR enviará a Sua bênção sobre tudo aquilo em que puseres a tua mão.” Não devemos pôr a nossa mão em coisa alguma sobre a qual não nos atrevêssemos a pedir a bênção de Deus, tão-pouco a empreenderíamos sem oração e sem fé. Porém, que privilégio é poder esperar a ajuda do Senhor em cada empreendimento! Falamos muito de pessoas de sorte: a bênção do Senhor é melhor do que a boa sorte. O amparo dos grandes em nada é comparado com o favor de Deus. A confiança em nós mesmos está muito bem, mas a bênção do Senhor vale infinitamente mais de que todos os proventos do talento, do génio ou do tato.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: