… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 29 de novembro de 2016

29 de novembro

William MacDonald
Um dia de cada vez
29 de novembro
“Eu não posso de Mim mesmo fazer coisa alguma.” (Jo 5:30, ARC, Pt)

Duas vezes em João 5 o Senhor Jesus diz que não pode fazer nada por Si mesmo. No versículo 19, afirma: “Na verdade, na verdade vos digo que o Filho por Si mesmo não pode fazer coisa alguma...” E uma vez mais no versículo 30, declara: “ Eu não posso de Mim mesmo fazer coisa alguma...” Sentimo-nos decepcionados quando lemos pela primeira vez estes versículos. Parecem dizer que Jesus estava limitado no Seu poder, igual a nós. Mas se Ele for Deus, como Ele dizia ser, deve ser Omnipotente. Como dizia então que não podia fazer nada por Si mesmo? Certamente, os inimigos do Evangelho têm empregue estes versículos para mostrar que Jesus era um homem somente, com todas as limitações da humanidade.


Mas vejamo-lo mais de perto! O nosso Senhor não falava do Seu poder físico. Insistia que estava tão dedicado à vontade de Seu Pai que não podia fazer nada por Sua própria iniciativa. Era tão moralmente perfeito que não podia actuar por Sua conta. Não desejava nada além da vontade de Deus.



Tu e eu não devemos dizer que não podemos fazer nada por nós mesmos. Com muita frequência actuamos independentemente do Senhor e tomamos decisões sem O consultar. Cedemos à tentação mesmo sabendo que estamos pecando. Escolhemos a nossa própria vontade por cima da Sua. O Senhor Jesus não podia fazer nenhuma destas coisas.



Portanto, em vez de sugerir que Jesus Cristo era débil e finito, estes versículos demonstram exactamente o contrário, que era divinamente perfeito. Isto fica claro lendo os versículos inteiros em lugar de nos determos na metade. O que Jesus disse no versículo 19 era que: “Não pode o Filho fazer nada por Si mesmo, a não ser o que vê fazer ao Pai; porque tudo o que o Pai faz, também o faz o Filho igualmente.” Quer dizer: o Filho não podia actuar independentemente do Pai, mas pode fazer tudo o que o Pai faz. Esta é uma afirmação de igualdade com Deus.



Uma vez mais no versículo 30, o Senhor Jesus diz: “ Eu não posso de Mim mesmo fazer coisa alguma; como ouço, assim julgo, e o Meu juízo é justo, porque não busco a Minha vontade, mas a vontade do Pai, que Me enviou.” Isto significa que Ele tomou decisões somente sobre a base das instruções que tinha recebido de Seu Pai, e que a Sua completa submissão à vontade de Deus assegurava que estas decisões eram correctas.



J. S. Baxter assinala que nesta passagem Cristo afirma sete vezes a Sua igualdade com Deus. Igual em trabalho (v. 19); igual em conhecimento (v. 20); igual em poder para ressuscitar (vv. 21,28,29); igual em juízo (vv. 22,27); igual em honra (v. 23); igual em capacidade para regenerar (vv. 24-25); igual em auto-suficiência (v. 26). O Nosso Salvador não é uma criatura frágil e débil com poder limitado mas o Deus Omnipotente manifestado em carne.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: