… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 5 de novembro de 2016

5 de novembro


Oswald Chambers 
My Utmost for His Highest
5 de novembro PARTICIPANTES DAS SUAS AFLIÇÕES

“Mas alegrai-vos no facto de serdes participantes das aflições de Cristo.” (1P 4:13, ARC, Pt)

Se tu vais ser utilizado por Deus, Ele far-te-á passar por uma série de experiências que não são destinadas para ti, pessoalmente, de modo algum. Elas são projetadas para te tornar útil nas Suas mãos, e para que tu te tornes capaz de entender o que acontece na vida dos outros. Por causa desse processo, tu nunca vais ser surpreendido com o que ocorre no teu caminho. Tu dizes, “Oh, eu não posso tratar dessa pessoa.” Por que não podes? Deus deu-te oportunidades suficientes para aprenderes com Ele acerca desse problema, mas tu recusaste-te ver, sem prestares atenção à lição, porque te parecia absurdo gastar o teu tempo dessa maneira.

Os sofrimentos de Cristo não foram os das pessoas comuns. Ele sofreu “segundo a vontade de Deus” (1 Pedro 4:19), tendo um ponto de vista diferente do nosso sofrimento. É somente através do nosso relacionamento com Jesus Cristo que podemos compreender o que Deus está procurando nos Seus procedimentos connosco. Quando se trata de sofrimento, é parte da nossa cultura Cristã querer saber o propósito de Deus de antemão. Na história da igreja Cristã, a tendência tem sido a de evitar ser identificado com os sofrimentos de Jesus Cristo. As pessoas têm procurado cumprir as ordens de Deus através dos seus próprios atalhos. O caminho de Deus é sempre a vereda do sofrimento, a viagem da “longa jornada para o lar.”

Somos participantes dos sofrimentos de Cristo? Estamos preparados para Deus acabar com as nossas ambições individuais? Estamos preparados para que Deus destrua as nossas decisões pessoais, transformando-as de um modo sobrenatural? Isso vai significar não saber por que Deus nos está levando por esse caminho, porque sabendo-o, tornar-nos-íamos espiritualmente orgulhosos. Nós nunca fazemos ideia, naquela hora, através do que é que Deus nos quer fazer passar— nós passamos por isso, mais ou menos sem discernimento. Então, de repente chegamos a uma ocasião de esclarecimento, e percebemos – “Deus fortaleceu-me e eu nem sabia disso!”


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: