… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

domingo, 20 de novembro de 2016

20 de novembro


C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
20 de novembro
“Pois fartou a alma sedenta, e encheu de bens a alma faminta.” (Sl 107:9, ARC, Pt)

É bom ter ânsias, e quanto mais intensas forem, tanto melhor. O Senhor satisfará as ânsias da alma, por grandes que sejam, ou por muito que nos preocupem. Podemos desejar ardentemente coisas grandes, porque Deus coisas grandes nos dará. Não é bom o nosso estado de espírito se estivermos contentes connosco próprios e se nos sentirmos livres de ânsias. A sede de mais graça e os gemidos indizíveis, são dores próprias do crescimento, e devíamos querer senti-los cada vez mais. Espírito bendito, faz com que suspiremos e clamemos por coisas melhores!

A fome, não é de nenhuma maneira, uma sensação agradável. Não obstante, são bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça. Tais pessoas não apenas verão a sua fome aliviada com um pouco de alimento, mas serão saciadas. Não serão saciadas com qualquer género de comida grosseira, mas o seu regime alimentar será digno do seu bondoso Senhor, porque elas serão cheias de bondade (bens) pelo próprio SENHOR.

Vinde! Não nos incomodemos por causa de desejarmos ardentemente e de termos fome. Mas ouçamos a voz do Salmista, quando ele deseja ardentemente e tem fome de ver Deus magnificado: “Louvem ao SENHOR pela Sua bondade, e pelas Suas maravilhas para com os filhos dos homens.”


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.


Tenho deixado os meus leitores desfrutarem das publicações inéditas que vou apensando diariamente no meu blogue. Casualmente verifiquei que as Meditações Matutinas e Vespertinas de C. H. Spurgeon que eu traduzi estão publicadas ipsis verbis no Brasil, sem indicação do autor, ao preço de R$45,00 e em Portugal a €19.99 EUR!!!
Que roubalheira!!!
Isto dói e não é sério nem cristão.
Carlos

Sem comentários: