… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

14 de novembro


C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
14 de novembro
“Se pedirdes alguma coisa em Meu nome, Eu o farei.” (Jo 14:14, ARC, Pt)

Que ampla promessa! “Alguma coisa!” Quer as minhas necessidades sejam grandes, quer pequenas, todas estão incluídas nestas palavras “alguma coisa”. Vem, minha alma com liberdade diante do propiciatório, e escuta o teu Senhor, que diz: “Abre bem a tua boca e a encherei”.

Que sábia promessa! Temos de pedir sempre no nome de Jesus. Enquanto isto nos anima a nós, honra-O a Ele. Esta é uma recomendação constante. Às vezes as outras recomendações podem parecer-nos obscuras, especialmente as que deduzimos das nossas próprias relações com Deus ou da nossa experiência da Sua graça. Em tais ocasiões, porém, o nome de Jesus é tão poderoso como sempre diante do trono, e podemos invocá-Lo com (a) plena certeza (de sermos socorridos).

Que oração cheia de ensino! Nada deverei pedir, se não posso pôr nisso a mão e o selo de Cristo. Nunca me atreveria a pôr o nome do meu Senhor numa petição egoísta ou obstinada. Somente posso invocar o nome do meu Senhor nas orações que Ele mesmo faria, se estivesse no meu caso. É um grande privilégio estar autorizado a pedir no nome de Jesus, como se o próprio Jesus pedisse; mas o nosso amor para com Ele jamais permitirá que ponhamos o Seu nome onde Ele não o poria.

Aprovaria Jesus aquilo que estou pedindo? Atrevo-me a pôr o Seu selo na minha oração? Então eu tenho (receberei) o que busco do Pai.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: