… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

18 de novembro


C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
18 de novembro
“Manancial fechado, fonte selada.” (Ct 4:12, ARC, Pt)

NESTA metáfora, a qual faz referência à vida íntima do crente, temos expressa muito claramente a ideia do segredo. Esta é uma fonte fechada, como o eram as fontes do Oriente, sobre as quais se construía um edifício, de modo que ninguém podia chegar até elas, salvo os que conheciam a entrada secreta. Assim é o coração do crente quando é renovado pela graça; há nele uma vida misteriosa que nenhuma perícia humana pode tocar. Este é um segredo que nenhum outro homem conhece; mais ainda, que até o próprio homem que o possui não o pode revelar ao seu próximo. Este versículo inclui não só a noção de segredo, mas também a de separação. Esta não é a fonte comum, da qual pode beber qualquer transeunte, mas é uma fonte guardada e preservada de todos os outros. É uma fonte que traz uma marca, um selo real, para que desta maneira todos possam conhecer que não é uma fonte pública, mas é uma fonte que tem dono, e, por isso mesmo, tem uma localização exclusiva. Assim se passa com a vida espiritual. Os escolhidos de Deus foram separados por decreto eterno; foram separados por Deus no dia da redenção; e eles são separados porque possuem uma vida que os outros não têm. É impossível que se sintam cómodos no mundo ou que achem deleite nos seus prazeres. Aqui temos também a ideia de carácter sagrado. A fonte fechada é preservada para uso de alguma pessoa especial. E o mesmo acontece com o coração do Cristão, que é uma fonte reservada para Jesus. Cada Cristão devia saber que tem sobre si o selo de Deus, e ele devia estar em condições de dizer com o Apóstolo Paulo: “Desde agora ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus.” Outra ideia proeminente neste versículo é a de segurança. Oh! Como é segura a vida interior do crente! Ainda que todos os poderes da Terra e do Inferno se combinassem contra ela, essa vida imortal continuaria existindo, pois O que a deu empenhou a Sua vida para que ela fosse preservada. “E qual é aquele que vos fará mal” quando Deus é o vosso protector?

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.


Tenho deixado os meus leitores desfrutarem das publicações inéditas que vou apensando diariamente no meu blogue. Casualmente verifiquei que as Meditações Matutinas e Vespertinas de C. H. Spurgeon que eu traduzi estão publicadas ipsis verbis no Brasil, sem indicação do autor, ao preço de R$45,00 e em Portugal a €19.99 EUR!!!
Que roubalheira!!!
Isto dói e não é sério nem cristão.
Carlos

Sem comentários: