… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

12 de dezembro


C. H. Spurgeon

Livro de Cheques do Banco da Fé
12 de dezembro


“No sossego e na confiança estaria a vossa força.” (Is 30:15, ARC, Pt)

É sempre sinal de fraqueza inquietarmo-nos, preocupar-nos, desconfiarmos e recalcitrarmos. Que adiantamos, devorando-nos de ansiedade ou duvidando? Não é desta forma que nos incapacitamos para uma acção decisiva, e desconcertamos o nosso espírito, de maneira a não podermos tomar uma decisão prudente? Afundamo-nos, com os nossos esforços, quando podíamos flutuar, pela fé.

Oh, que tenhamos a graça de ficar quietos! Por que corremos, de casa em casa, repetindo a triste história que, de cada vez que a contamos, mais aflige o nosso coração? Se permanecemos nas nossas casas, por que choramos em agonia, por pressentimentos miseráveis, que talvez nunca se realizarão? Seria bom determos a língua, mas seria melhor ainda guardarmos o coração em tranquilidade. Oh! Que possamos ficar calmos e reconhecer que o SENHOR é Deus!

Oh, se tivéssemos a graça de confiar em Deus! O Santo de Israel tem de defender e livrar os Seus. Ele não pode contradizer as Suas solenes declarações. Podemos ficar certos de que cada uma das Suas palavras permanecerá, ainda que os montes se movam. Ele é digno da nossa confiança; e se mostrássemos tal confiança nEle e com a consequente tranquilidade que ela nos traria, poderíamos ser tão felizes como os anjos diante do trono de Deus.

Vem, minh’alma, volta ao teu repouso e reclina a tua cabeça no seio do Senhor Jesus!

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: