… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

21 de dezembro

William MacDonald
Um dia de cada vez
21 de dezembro
“Cristo amou a Igreja, e a Si mesmo Se entregou por ela” (Ef 5:25, ARC, Pt)

A Igreja ocupa um lugar de suma importância na mente de Cristo, e deve ser extremamente importante também na nossa estima.

Sentimos a sua importância pelo espaço proeminente que lhe é dado no Novo Testamento. Reclamou um lugar significativo no ministério dos Apóstolos. Por exemplo, Paulo falava do seu duplo ministério: pregar o Evangelho e dar a conhecer a verdade da Igreja (Ef 3:8-9). Os Apóstolos falavam da Igreja com um entusiasmo que estranhamente se perdeu nos nossos dias. Onde quer que fossem estabeleciam Igrejas, enquanto que a tendência nos nossos dias é a de começar organizações cristãs.

A verdade sobre a Igreja formava a pedra final da revelação bíblica (Cl 1:25-26). Esta foi a última doutrina importante a ser revelada. A Igreja é um ensinamento objectivo para os seres angélicos (Ef 3:10). Aprendem por meio dela lições extraordinárias a respeito da multiforme sabedoria de Deus.

A Igreja é a entidade sobre a Terra que Deus escolheu para propagar e defender a fé (1Tm 3:15). Refere-se a ela como coluna e baluarte da verdade. Ainda que possamos agradecer a todas aquelas organizações para eclesiásticas que se dedicam a disseminar o Evangelho e a instruir os crentes, a verdade é que elas cometem o erro de tomar o lugar da Igreja local nas vidas dos seus membros. Deus prometeu que as portas do Hades não prevaleceriam contra a Igreja (Mt 16:18), mas não deu esta promessa às organizações cristãs.

Paulo refere-se à Igreja como “a plenitude daquele que cumpre tudo em todos” (Ef 1:20-23). Em graça maravilhosa, a Cabeça não se considera completa a si mesmo sem Seus membros.

A Igreja não é somente o corpo de Cristo (1Co 12:12,13); é também a Sua noiva (Ef 5:25-27, 31, 32). Como corpo, é o veículo através da qual escolhe representar-se a si mesma ao mundo nesta época. A noiva é o objecto especial do Seu afecto, e Ele está preparando-a para que ela compartilhe do Seu reino e da Sua glória.

Por tudo o que disse, estamos obrigados a concluir que a Assembleia mais débil e pequena de crentes significa mais para Cristo do que o maior império deste mundo. Ele fala da Igreja em termos de terno carinho e de dignidade única. Também concluímos que um ancião numa Assembleia Local significa mais para Deus do que um presidente ou um rei. Não achamos muitas instruções no Novo Testamento a respeito de como deve ser um bom governante, mas ele dedica um espaço considerável acerca da obra de um ancião.

Se alguma vez chegarmos a ver a Igreja como o Senhor a vê, isto revolucionará a nossa vida e o nosso ministério.



Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: