… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

21 de dezembro



C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
21 de dezembro
 “Tornará a apiedar-se de nós; subjugará as nossas iniquidades, e lançarás todos os nossos pecados nas profundezas do mar.” (Mq 7:19, ARC, Pt)

Deus jamais esquece o Seu amor, porém, Ele depressa abandona a Sua ira. O Seu amor para com os Seus escolhidos está em conformidade com a Sua natureza; porém, a Sua ira é unicamente de acordo com o Seu ofício. Ele ama porque Ele é amor, Ele aborrece porque é necessário que o faça para o nosso bem. Ele voltará ao lugar onde o Seu coração descansa, isto é, ao Seu amor para com os Seus, e Ele, então, terá compaixão das nossas dores e lhes porá fim.

Que promessa tão magnífica! «Ele subjugará as nossas iniquidades!» Ele vencê-las-á. Elas procuram escravizar-nos, todavia o Senhor dar-nos-á a vitória sobre elas, pela Sua própria dextra. Como os cananeus, elas serão vencidas, postas sob o jugo e, finalmente, destruídas.

Do mesmo modo, quão gloriosamente é tirada a culpabilidade dos nossos pecados! “Todos os nossos pecados,” sim, todo o exército deles «lançarás» —só um braço omnipotente podia fazer tal maravilha; “nas profundezas do mar” —onde se afogou Faraó e os seus carros. Não em águas de pouca profundidade, de onde poderiam subir com a maré, mas, os nossos pecados serão atirados violentamente «nas profundezas do mar». Eles têm desaparecido todos. Afundaram-se como uma pedra no fundo. Aleluia! Aleluia!


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: