… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

22 de dezembro



C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
22 de dezembro
“Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.” (Sl 46:1, ARC, Pt)

Uma ajuda que não está presente quando dela necessitamos, é de pouco valor. A âncora que se deixou ficar em casa não é útil para o marinheiro na hora de tormenta; o dinheiro que o devedor possuiu noutro tempo, não tem qualquer valor quando há uma demanda judicial contrária ele. Muito poucos auxílios terrestres poderão ser chamados “presentes”: geralmente estão longe quando temos de buscá-las, longe quando se usam e mais longe ainda depois de usadas. Porém, quanto ao Senhor, nosso Deus, Ele está “presente” quando O buscamos, “presente” quando dEle necessitamos, e “presente” quando já temos gozado da Sua ajuda.

Ele está mais do que “presente”, Ele está muito presente. Mais presente do que pode estar o amigo mais próximo, pois Ele está connosco na nossa tribulação; porque é mais presente do que nós somos para connosco mesmos, visto carecermos muitas vezes da presença de ânimo. Ele está sempre presente, eficazmente presente, simpaticamente presente, totalmente presente. Ele está presente agora, se o tempo é sombrio. Descansemos nEle. Ele é o nosso amparo, ocultemo-nos nEle; É a nossa fortaleza; revistamo-nos dEle; Ele é nosso auxílio, apoiemo-nos nEle; Ele é o nosso socorro bem presente, repousemos nEle agora. Não devemos preocupar-nos nem por um momento, nem devemos temer por um instante. “O SENHOR dos Exércitos está connosco; o Deus de Jacob é o nosso refúgio.”

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: