… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

23 de dezembro



C. H. Spurgeon
Livro de Cheques do Banco da Fé
23 de dezembro
“E de José disse: Bendita do SENHOR seja a sua terra, com o mais excelente dos céus, com o orvalho e com o abismo que jaz abaixo.” (Dt 33:13, ARC, Pt)

Nós podemos ser ricos com as mesmas coisas que obteve José, e podemos alcançá-las num sentido mais elevado. Oh, se tivéssemos “o mais excelente dos Céus”!

O poder com Deus e a manifestação do poder de Deus são coisas extremamente preciosas. Queríamos desfrutar da paz de Deus, do gozo do Senhor, da glória de nosso Deus. Apreciamos muito mais a bênção das Três Pessoas Divinas em amor, em graça e em comunhão, do que o mais fino ouro. As coisas da Terra são como nada em preciosidade se as compararmos com as coisas do lugar de eterna bem-aventurança.

“O orvalho.” Quão precioso é isto! Como oramos e louvamos, quando temos o orvalho! Que refrigério, que crescimento, que perfume e que vida há em nós, quando o orvalho está ao nosso redor! Por cima de todas as outras coisas, como plantas plantadas pela própria dextra do Senhor, necessitamos do orvalho do Seu Espírito Santo.

«O abismo que jaz abaixo.» De facto isto refere-se ao oceano invisível, debaixo da terra, que alimenta todos os mananciais vivos que alegram a Terra. Oh, a bênção de tirar água das fontes eternas! Esta é uma dádiva inefável. Que crente algum descanse até que a possua. A completa suficiência do SENHOR é nossa, para sempre. Recorramos a ela agora.


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: