… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

30 de dezembro


C. H. Spurgeon
Leituras Vespertinas
 30 de dezembro
“Não sabes tu que por fim haverá amargura?” (2Sm 2:26, ARC, Pt)

SE tu, querido leitor, és simplesmente alguém que professa e não alguém que possui a fé que é em Cristo Jesus, as linhas seguintes apresentar-te-ão um bosquejo do teu fim. Tu és um dos que assistem a um lugar de culto. Vais ali porque vão outros, não porque o teu coração esteja em boa relação com Deus. Este é o teu princípio. Quero supor que ao longo dos próximos vinte ou trinta anos te permitirá continuar como até agora, professando a religião de forma superficial, mas não pondo nela o teu coração. Anda devagar, pois tenho de te fazer ver a agonia de alguém como tu. Olhemo-lo com piedade: Um suor húmido e frio cobre sua testa e ele acorda e clama: “Oh Deus! Que penoso é morrer. Não farás vir o meu pastor?” “Sim, ele vem já.” Chega o pastor e o moribundo diz-lhe: “Pastor, temo que eu esteja morrendo!” O pastor responde-lhe: “Tens alguma esperança?” O moribundo responde: “Eu não posso dizer que a tenha. Temo estar diante do meu Deus. Oh! Ore por mim”. Eleva-se a oração por ele com sincero ardor, e apresenta-se-lhe pela décima milésima vez o caminho da salvação, mas antes que ele se possa prender-se à corda salvação, vejo-o afundar-se. Já posso pôr os meus dedos sobre as suas pálpebras frias, pois esses olhos já não verão mais nada aqui. Mas, onde está agora o homem e onde estão os seus verdadeiros olhos? Escrito está: “E, no Hades, ergueu os olhos, estando em tormentos.” Ai! Por que é que ele não ergueu os seus olhos antes? Porque ele estava tão acostumado a ouvir o Evangelho, que sua alma dormiu sob a sua pregação. Ai! se tu chegares a erguer os teus olhos ali, quão amargos serão os teus lamentos. Deixa que as próprias palavras do Salvador te revelem o pesar: “Abraão, meu pai, tem misericórdia de mim e manda a Lázaro que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama.” Há um terrível significado nestas palavras. Que tu nunca tenhas de as soletrar à luz vermelha da ira de Deus!


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: