… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sábado, 31 de dezembro de 2016

31 de dezembro



C. H. Spurgeon
Leituras Matutinas
 31 de dezembro
“E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba.” (Jo 7:37, ARC, Pt)

A PACIÊNCIA teve no Senhor a sua obra perfeita, e até ao último dia da festa Ele rogou aos judeus, assim como neste último dia do ano Ele nos roga a nós e espera mostrar-nos a Sua misericórdia. Admirável, na verdade, é a paciência do Salvador, pois ano após ano mostra-Se indulgente com alguns de nós, apesar das nossas provocações, das nossas rebeliões e da nossa resistência contra o Seu Espírito Santo. É uma verdadeira maravilha que ainda estejamos na terra onde nos oferece misericórdia!

A piedade manifestou-se muito claramente, pois Jesus clamou, o que não só implica o tom elevado da Sua voz, mas também a ternura da sua tonalidade. Ele suplica-nos que sejamos reconciliados. “Rogamo-vos,” diz o Apóstolo, “como se Deus por nós rogasse.” Quão ardentes e patéticas são estas palavras! Quão profundo deve ser o amor que faz com que o Senhor chore pelos pecadores, e que, como uma mãe, convide os Seus filhos a ir para o Seu seio! Com toda a certeza ante a chamada de tal clamor os nossos corações acudirão gostosos.

Foi feita uma provisão muito abundante. Tudo o que o homem necessita para apagar a sede de sua alma lhe foi dado. A expiação leva paz à sua consciência; o Evangelho leva ao seu entendimento a mais valiosa instrução; a pessoa de Jesus é para o seu coração o objecto mais nobre do seu amor; a verdade “como é em Jesus” dá a todo o seu ser o alimento mais puro. A sede é terrível, mas Jesus mata-a. Ainda que a alma esteja morta de fome, Jesus pode restabelecê-la.

A proclamação foi feita a todos muitíssimo liberalmente. Todo o que tem sede é bem-vindo. Não se faz nenhuma distinção, o que se requer é tenha sede. Todo o que sofra da sede de avareza, de ambição, de prazer, de conhecimento ou de descanso, é convidado. A sede talvez seja má em si mesma, e não tenha nenhum indício de graça, mas antes seja a marca de excessivo pecado que anseia achar satisfação. Todavia, temos de ter em conta que o Senhor Jesus não estende o convite porque haja algo de bom na criatura, mas Ele concede-o espontaneamente, e sem acepção de pessoas.

É proclamada muito amplamente a pessoa de Jesus. O pecador tem de vir a Jesus, e não às obras, aos ritos ou às doutrinas. Tem de vir a um Redentor pessoal, “Levando ele mesmo em Seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro.” A única estrela de esperança para o pecador é o Salvador que sangra, que morre e que ressuscita. Que Deus nos dê a graça para virmos agora e bebermos, antes que o sol deste último dia do ano morra no ocaso!

Aqui não se sugere nenhuma espera nem nenhuma preparação. Para beber não se requer nenhuma aptidão. O néscio, o ladrão, a rameira, podem beber; e, portanto, a pecabilidade de carácter não constitui um obstáculo para que se convide as pessoas a crer em Jesus. Para levar água ao sedento não necessitamos nem de uma taça de ouro nem de um cálice adornado com pedras preciosas. A boca da pobreza está convidada a inclinar-se e a beber abundantemente deste manancial. Os lábios leprosos e imundos podem tocar a fonte do amor divino; ao fazê-lo assim, não só não a poluirão, como também sairão dela purificados. Jesus é a fonte da esperança. Querido leitor, ouve a voz carinhosa do querido Redentor, enquanto clama a cada um de nós,

“SE ALGUÉM TEM SEDE,
VENHA A MIM,
E BEBA.”


Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: