… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

9 de janeiro de 1956 • Johnny Keenan, o outro piloto missionário, voou até Palm Beach


 9 de janeiro de 1956 Johnny Keenan, o outro piloto missionário, voou até Palm Beach
Troço do Rio Curaray, no Equador, onde algures fica Palm Beach.
O dia de Ano Novo de 1956 foi o dia em os cinco missionários se preparam para contactarem os índios Aucas do Equador. O piloto, Nate Saint, ia transportar o grupo até Palm Beach, o lugar aonde tinham trocado presentes com os Aucas dum helicóptero. À mediada que Jim Elliot, Pete Fleming, Ed McCully e Roger Youderian juntavam o que necessário para a sua missão, Betty Elliot, a esposa de Jim, interrogava-se: “Será esta a última vez que o ajudarei a empacotar as suas coisas?”



Depois de tomarem o pequeno-almoço e de orar no dia da sua partida, que era o dia 3 de janeiro de 1956, os cinco missionários entoaram um dos seus hinos favoritos, cuja letra dizia:



Confiamos em Ti, nosso Escudo e nosso Defensor

Tua é a batalha, a Ti seja o louvor,

Quando passarmos através das portas de perlífero esplendor

Vitoriosos, descansaremos Contigo durante a eternidade



Quando chegaram a Palm Beach, construíram numa árvore uma cabana e enquanto esperavam, prepararam-se para se porem em contacto com os Aucas. E na sexta-feira, dia 6 de janeiro de 1956, apareceram-lhes um homem e duas mulheres da tribo Auca, o que muito animou os 5 missionários. Estivam várias horas juntos e até levaram mesmo o homem da tribo Auca a dar uma volta no helicóptero.



No sábado não apareceu nenhum nativo por Palm Beach, porém no domingo de manhã, quando Nate sobrevoava o lugar, conseguiu visionar um indígena que caminhava em direção a Palm Beach, onde o grupo de missionários se encontrava. Ao meio dia e meia hora, Nate contactou por rádio Marj, a sua esposa que se encontrava na estação missionária, e disse-lhe: “Parece que eles estarão por aqui para o primeiro culto da tarde. Ora por nós. Este é o dia! Contactar-te-emos às 4:30."



Quando chegaram as 4:30, as esposas dos missionários puseram-se a contactar os maridos pelos seus rádios, mas só se escutava silêncio. Passaram cinco minutos e depois mais dez. Nada! Pôs-se o-sol, e elas não escutaram nem uma só palavra nos seus rádios! Muito aflitas, as mulheres dos cinco missionários quase não pregaram olho nessa noite.



Só na segunda-feira pela manhã, neste dia 9 de janeiro de 1956, é que Johnny Keenan, o outro piloto missionário, conseguiu voar até Palm Beach. Enquanto Betty Elliot esperava as notícias dele, o versículo de Isaías 43:2 veio à sua mente: “Quando passares pelas águas, estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão, quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti.” E ela orou: “Senhor, não permitas que as águas submirjam.”



Às 9:30 da manhã chegou o relatório do piloto. Marj Saint compartilhou-o com as esposas dos outros missionários, dizendo-lhes seca e tristemente: “Johnny encontrou o helicóptero deles na praia. Desmantelaram o aparelho todo e não há sinal deles.”



Outro piloto contactou imediatamente o tenente general William K. Harrison, comandante em chefe do Comando Caribe, que era cristão. A estação radial HCJB no Equador, divulgou a notícia pelo resto do mundo: “Cinco missionários cristãos estão perdidos no território Auca”. Nesse dia, foi organizado um grupo de resgate que partiu ao meio dia da estação missionária para ir por terra até Palm Beach.



Na quarta-feira, Johnny Keenan realizou o seu quarto voo sobre a Palm Beach. Marj Saint, que já quase não se separava do seu rádio desde domingo, contactou as suas amigas, e logo que pôde falar-lhes, disse: “Encontraram um corpo”. Johnny havia visto um cadáver flutuando de barriga para baixo no rio Curaray.



Ainda nessa tarde de quarta, Johnny contactou novamente por radio para dar esta notícia: “Descobriu-se outro cadáver a uns sessenta e um metros de Palm Beach”. As cinco esposas não tinham ideia de quais eram os mortos.



O grupo de resgate localizou quatro dos cinco corpos, mas Ed McCully tinha sido arrastado pelo rio e não foi localizado. Os outros quatro foram sepultados em Palm Beach.



As vidas de Jim Elliot, Nate Saint, Ed McCully, Peter Fleming e Roger Youderian foram como breves chamas refulgentes!



Mas... O que aconteceus aos Aucas? Em finais de 1958, Betty Elliot, a viúva de Jim Elliot e Rachel Saint, a irmã de Nate, estavam vivendo entre eles, e os indígenas, um a um foram depositando sua fé em Jesus Cristo.



Os cinco homens que assassinaram os missionários, não só se converteram em Cristãos, como também se tornaram líderes espirituais entre o seu povo. Depois de crer, compartilhavam como num dia fatídico escutaram cantar por cima das árvores, e ao olhar viram o que parecia ser como uma abóbada de luzes brilhantes. Deus estava dando as boas-vindas aos Seus filhos em casa!



Nove anos depois, em junho de 1965, dois dos filhos de Nate Saint: Kathy e Stephen, foram batizados em Palm Beach por dois dos homens que tinham assassinado o seu pai.



Em 1948, Jim Elliot havia escrito no seu diário: “Consume a minha vida, Senhor. Eu não quero uma vida longa, quero ser cheio de Ti, Senhor Jesus. Satura-me com o óleo do teu Espírito... para que eu possa ser uma chama. Mas a chama normalmente é de curta duração. Podes tu suportar isto, minha alma?” Como responderias tu a esta pergunta?



Os entendidos, pois, resplandecerão, como o resplandor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça refulgirão como as estrelas, sempre e eternamente.” (Dn 12:3, ARC, Pt)


****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: