… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

17 de fevereiro de 1557 • Johann Timann, Reformador



17 de fevereiro de 1557 Johann Timann, Reformador

 

Rosto do Tratado, Farrago sententiarum consentientium (Frankfurt, 1555), de Johann Timann, acerca da Santa Ceia


Johann Timann (Johannes Amsterdamus Tidemann) nasceu em Amsterdão, na Holanda, antes de 1500. Foi um teólogo protestante e Reformador, que não é conhecido nos nossos dias.

Timann foi primeiramente sacerdote católico. Ele tinha estudado na Holanda com os frades Agostinianos. Não sabemos como aderiu à Reforma. Sabemos apenas que em 1522, este holandês, Johann Timann, um jovem sacerdote de pouco mais de vinte anos, chega a Wittenberg, onde trabalhou com Martin Luther e Philipp Melanchton e se torna conhecido. E no ano seguinte, acompanhado por Jakob Propst [(Probst, Præpositus) nascido em Ypres, na Flandes, provavelmente na última década do século XV e morto em Bremen em 30 de junho de 1562], foi para Bremen e por recomendação de Heinrich von Zütphen (1488-1524) é chamado para ser pastor da igreja de São Martinho enquanto Jakob Propst era pastor da Igreja “da Nossa Senhora“ (em alemão: Kirche Unser Lieben Frauen).

Quando Zütphen sai de Bremen, após a sua partida em novembro de 1524, Timann e Propst passaram a dirigir a Reforma na cidade de Bremen e em 1525 introduziram na adoração a Deus o uso do canto dos hinos em alemães e a administração de ambos os elementos, o pão e o vinho, por todos os crentes participantes na Santa Ceia.

Em 1529, Timann foi chamado conjuntamente com Johann Pelt, pastor de St. Ansgar, a Emden pelo conde Enno II da Frísia oriental para frear a influência dos anabaptistas, e sem que a missão tivesse sido bem sucedida, regressa a Bremen no fim do mesmo ano.

Durante as lutas sociais em Bremen durante os anos de 1530 a 1532, a chamada "revolta de 104 homens" os pregadores Timann e Propst tiveram de sair com os prefeitos da cidade, mudaram-se para Brinkum, onde estiveram durante um mês, depois do qual regressaram às suas congregações.


Depois destes acontecimentos, o pastor Timann, provavelmente, teve uma parte proeminente na elaboração da constituição da Igreja que, depois de ser submetida a Lutero e J. P. Bugenhagen, foi aprovada e adotada pelo Conselho da cidade, onde decerto foram aprovadas medidas contra os anabatistas.



Timann representou Bremen na convenção Convenção de Hamburgo, de 15 de abril 1535, em que se tomoram medidas contra os anabaptistas e que foram tornadas publicas a 23 de maio 1535. Ele também representou a Igreja de Bremen na conferência de Esmalcalda em 1537 e no colóquio de Worms (1540-41), assistindo à conferência de Regensburgo como assessor eclesiástico dos conselheiros da cidade de Bremen. Duma controvérsia tida com o seu compatriota Albert Rizäus Hardenberg (1510-1574) sobre a Santa Ceia escreveu  depois o tratado, Farrago sententiarum consentientium (Frankfort, 1555).



Johann Timann morreu durante uma visitação em Nienburg/Weser, no município de Hoya.no estado de Baixa Saxónia, na Alemanha, neste dia, 17 de fevereiro de 1557.


Timann, um antigo sacerdote católico, foi casado com Gertrude Werenberg da qual teve oito filhos.


****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: