… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

20 de fevereiro


C. H. Spurgeon
Leituras Vespertinas

20 de fevereiro

“Então foi conduzido Jesus pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo.” (Mt 4:1, ARC, Pt)

UM caráter santo não impede a tentação—Jesus foi tentado. Quando Satanás nos tenta, as suas faíscas caem sobre a isca; mas no caso de Cristo, a tentação foi igual às faíscas que caem sobre as águas; contudo o inimigo continuou a sua má obra. Agora, se apesar de não ter resultados, o diabo continua lançando fogo, quanto mais ele o fará quando souber quão inflamável é a matéria de que é feito o nosso coração! Ainda que o Espírito Santo te tenha santificado por completo, o grande cão do inferno seguir-te-á ladrando. Há tentações nos lugares habitualmente frequentados pelos homens, mas também as há na solidão. Jesus Cristo foi levado da sociedade humana para o deserto e foi tentado pelo diabo. A solidão tem os seus encantos e os seus benefícios e pode ser útil para frear a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, mas o demónio seguir-nos-á até ao mais plácido retiro. Não suponhas de que só o mundano tem espantosos pensamentos e blasfemas tentações, porquanto também as pessoas espirituais sofrem o mesmo; e na posição mais santa podemos experimentar a mais terrível tentação. A mais elevada consagração de espírito não é uma garantia contra a tentação satânica. Cristo estava consagrado inteiramente. A Sua comida e bebida era fazer a vontade dAquele que O enviou, e, além disso, Ele foi tentado! O teu coração pode arder com uma seráfica chama de amor por Jesus, mas, apesar disso, o diabo procurará levar-te à tibieza de Laodicea. Se tu podes dizer-me quando Deus permite que o Cristão deponha as suas armas, eu dir-te-ei quando Satanás deixar de tentar. Tal como os antigos cavaleiros em tempo de guerra, devemos dormir com o elmo e a couraça colocados, pois o principal enganador aproveitará qualquer descuido para nos fazer presa sua. O Senhor nos mantenha vigilantes em todas as ocasiões e nos liberte por completo das mandíbulas do leão e das garras do urso.

Tradução de Carlos António da Rocha

****

Esta tradução é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está traduzida no Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicada nem utilizada para fins comerciais; seja utilizada exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: