… Mas o melhor de tudo é crer em Cristo! Luís Vaz de Camões (c. 1524 — 1580)

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

7 de fevereiro de 1672 • Solomon Stoddard aceita a chamada para pastor da Igreja em Northampton, Massachusetts

7 de fevereiro de 1672 Solomon Stoddard
 aceita a chamada para pastor da Igreja em Northampton, Massachusetts

Solomon Stoddard (1643-1729) foi um dos líderes mais influentes do protestantismo norte-americano, desde a colonização de Massachusetts (1630) até ao Grande Despertamento nas colónias da Nova Inglaterra (c. 1740). Desde o púlpito da Igreja em Northampton, Massachusetts, onde Solomon Stoddard começa a sua função de pastor, no dia de hoje, 7 de fevereiro de 1672 até a este dia, 11 de fevereiro de 1729, quando deixa o tabernáculo desta vida, durante o seu longo pastorado de 57 anos, as ideias de Stoddard vieram a exercer uma influência poderosa na teologia puritana, não somente no Vale do Rio Connecticut, como também em Boston e em toda a Nova Inglaterra.


O “Papa” Stoddard, conforme os oponentes chamavam a Solomon Stoddard, era muito conhecido pelas suas inovações na disciplina eclesiástica. Já nos seus dias, muitas das Igrejas Congregacionais da Nova Inglaterra tinham adotado o Acordo de Meio-Termo. Este permitia que os membros batizados que não tinham feito uma profissão de fé pessoal trouxessem os seus filhos menores para serem batizados, mas impedia que todos aqueles que não pudessem confessar pessoalmente a sua fé em Cristo participassem da Santa Ceia do Senhor. Stoddard propunha que todos aqueles que vivessem uma vida externamente decente tivessem licença de participar da Santa Ceia do Senhor. Ao mesmo tempo, também conclamava que as Igrejas em Massachusetts desenvolvessem um plano de “conexões” ou de “presbíteros” de supervisão, a fim de garantir a ortodoxia das igrejas e dos ministros locais. Esses aspectos do pensamento de Stoddard levaram alguns historiadores a louvá-Io pelos seus princípios democráticos, quando ele a partir de 5 de novembro de 1677 abre a Mesa do Senhor para todos participarem da Ceia do Senhor e outros a condená-Io por ser autocrático, quando ele propõe controlos externos mais rigorosos à Igreja local.



Solomon Stoddard, realmente, interessava-se profundamente pelos reavivamentos e pela conversão dos perdidos. Considerava a Ceia do Senhor, distribuída numa comunhão aberta, como uma ordenança que convertia almas. Alegava que a participação na Ceia era um modo excelente para as pessoas “aprenderem a necessidade e a suficiência da morte de Cristo a fim de acharem o perdão.” Da mesma maneira, Stoddard queria controlos mais severos sobre as igrejas a fim de preservar a pureza do evangelho. Com todas as suas labutas, Stoddard experimentou cinco “colheitas” de almas em Northampton. De modo geral, no entanto, aqueles que seguiam os seus ensinos sobre a disciplina eclesiástica não estavam tão dispostos a promoverem a evangelização quanto ele. O empenho de Stoddard pelo avivamento foi compartilhado pelo seu neto, Jonathan Edwards, que veio a ser seu pastor assistente em 1724 e seu sucessor em 1729. Edwards acabou repudiando as ideias do seu avô no tocante à filiação na Igreja, e por causa disso em 22 de junho de 1750, Jonathan Edwards é demitido do pastorado da Igreja em Northhampton. Mas os seus esforços nas décadas de 1730 e 1740 para promover o reavivamento que veio a ser conhecido como O Grande Despertamento teriam merecido calorosos louvores da parte do seu avô, Solomon Stoddard.


****

Fontes Utilizadas:
Vários “Sítios” e enciclopédias na Internet e ainda algumas obras em papel.
Respigado daqui e dali.

Carlos António da Rocha

Este texto é de livre utilização, desde que a sua ortografia seja respeitada na íntegra porque já está escrito com o Português do Novo Acordo Ortográfico e que não seja nunca publicado nem utilizado para fins comerciais; seja utilizado exclusivamente para uso e desfruto pessoal.

Sem comentários: